sexta-feira, 8 de abril de 2011

Desejo fúnebre

Uma vez ouvi uma história a que dou crédito: Leôncio, filho de Agláion, ao regressar do Pireu, pelo lado de fora da muralha norte, percebendo que havia cadáveres que jaziam junto do carrasco, teve um grande desejo de os ver, ao mesmo tempo que isso lhe era insuportável e se desviava; durante algum tempo, lutou consigo mesmo e velou o rosto; por fim, vencido pelo desejo, abriu muito os olhos e correu em direção aos cadáveres, exclamando:


“Aqui tendes, gênios do mal, saciai-vos deste belo espetáculo!”


Esse trecho de A República (Livro IV - Platão) não me sai da cabeça toda vez que o Brasil para pra acompanhar uma tragédia como a de hoje em Realengo, no Rio de Janeiro.