terça-feira, 30 de março de 2010

Entrelinhas

Se você não viu ainda, pare tudo para ver a prova de que a greve da Apeoesp contra o governo de São Paulo é po-lí-ti-ca:


Numa altura do vídeo, Bebel, a mulher forte da Apeoesp, fala: "nós estamos aqui para quebrar a espinha dorsal desse partido e desse governador".

Se prestarem atenção, vai um elogio nas entrelinhas desta frase.

Espinha dorsal é o que mantém uma estrutura em pé. É, pois, onde ela é mais forte. Bebel, com seus protestos, só pode atingir o setor da educação, setor ligado ao seu sindicato. Logo, a educação é o sustentáculo do governo Serra, onde ele é melhor, é sua prioridade, seu núcleo duro.

A tática não me espanta. Os petistas, de fato, não criticam o que realmente precisa ser criticado (nenhum governo é perfeito). Concentram a repetição das críticas nos pontos em que o oponente é mais forte, até que se crie um senso-comum que inverte a realidade. É o caso da segurança pública, da educação e da saúde no estado de São Paulo.

Lembram que chamavam o Serra - o melhor ministro da saúde que o Brasil já teve - de "Ministro da Dengue"? Lembram o PT maldizendo o Plano Real e a Lei de Responsabilidade Fiscal?

É uma tática que emudece o opositor, tamanho absurdo. E conta com a ignorância e a alienação das pessoas a respeito da vida pública.

sábado, 20 de março de 2010

Gente sem coração

Recebi estas fotos da Cris Azevedo, de Florianópolis, por email. Aviso: ligue a tecla SAP.

Enchentes em São Paulo, nas décadas de 50 e 60:









É como diz a Cris, TUUUDO culpa do Serra, do FHC, do Kassab, e do FMI.