quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Endereço dos diretórios estaduais

Nestes endereços você pode procurar adesivos, SerraCards, bandeiras e praguinhas para ajudar no trabalho voluntário pela campanha do Serra.

Ligue já! Passe lá amanhã!
Bora colocar o bloco na rua, amigos!




DIRETÓRIOS DO PSDB


Rio Branco-Acre
Rua Rio Grande do Sul Nº 155 CEP:69.906-400 
(68) 3223-8276 Fax: (68) 3223-8276

Maceió- Alagoas
Rua Osvaldo Sarmento, nº 103 Cep: 57.051-510 Maceió - AL 
(82) 3325-7647 Fax (82) 325-2915

Manaus- Amazonas
Rua Rio Javari nº 43 - Conjunto Vieiralves Bairro Nossa Senhora das Graças CEP 69.053-110
(92) 3213-4454 

Macapá- Amapá 
Av. Treze de Setembro, Nº 1. 632, Bairro Buritizal 
(96) 3242-1910 Fax:(96) 3242-1910

Salvador- Bahia
Avenida Tancredo Neves, nº 274, Bl. A - Salas 211/212 
Centro Empresarial Iguatemi CEP: 41.820-020 
(71) 3432-0045 Fax: (71) 3432-0045 

Fortaleza-Ceará 
Avenida Santos Dumont 1.789 - 6º Andar Sala 607 Aldeota 
CEP:60.150-160
(85) 3462-4545 (85) 3462-4505 

Brasília-DF
SCLN 110 Bloco a - Sala 203 CEP:70.753-500
(61) 3340-4145 (61) 3447-4545 

Vitória- ES
Rua João Batista Parra, 255, Praia do Soá 
CEP:29.052-120 
(27) 3227-2441 Fax: (27) 3227-2441

Goiânia- GO
Rua Dr. Olinto Manso Pereira Nº 426, Setor Sul 
CEP:74.083-060 
(62) 3213 4717 (62) 3213-4055 

São Luís- MA
Rua Macaúbas QD. 51 Casa 12 Renascença I CEP 65.076-180
(98) 3235-7436 (98) 3235-7431

Belo Horizonte- MG
Rua Alvarenga Peixoto, nº 974 2º andar Bairro Lourdes CEP.: 30180-120 
(31) 2125-4545 

Campo Grande-MS
Rua Piratininga - 629, Jardim dos Estados CEP:79.020-240 
(67) 3384-2111 (67) 3384-2111 

Cuiabá- MT
Rua Barão de Melgaço, 2350, Ed. Barão Center, 4º Andar, Sala 402, Bairro Porto
CEP 78.020-800
(65) 3624-6995 (65) 3624-6995 

Belém-PA
Avenida Governador José Malcher ,459 CEP:66.035-100
(91) 3321-4545 (91) 3212-4518

João Pessoa-PB
Rua Monsenhor Valfredo Leal, 589 Bairro: Tambiá CEP.: 58.020-540
(83) 3221-1945/3221-3338 

Recife-PE
Rua Viscondessa do Livramento, 226 , Derby CEP.: 58.020-540
(81) 34238051

Teresina-PI
Rua Desembargador Pires de Castro, Nº 247 Centro Sul CEP:64.000-400
(86) 4009-4545

Curitiba-PR
Rua Reinaldino S. de Quadros, 292 Bairro Alto da Quinze CEP: 80.045.070
(41) 3015-4545 Fax: (41) 3029-4645

Rio de Janeiro-RJ
Praça Floriano, 51, 15º Andar Finelândia - Centro CEP 20.031-050
(21) 2262-4653 

Natal-RN 
rua Vereador Cícero Azevedo, 28 Lagoa Seca CEP: 59031020 
(84) 32348096

Porto Velho-RO
Rua Marechal Terodoro nº 1748, Bairro Centro - CEP 76.801-098
(69) 3224-4836

Boa Vista- RR
Rua General Penha Brasil, 60 Centro 
(95) 3623-8144 (95) 3623-8831

Porto Alegre-RS
Avenida Presidente Franklin Roosevelt - 1341 CEP:90.230-002
(51) 4009-4545 / 3222 5247 Fax: (51) 4009-4535

São José-SC
Rua Domingos André Zanini 277 - Edifício Empresarial Terra Firme Sala 1301/1304 - Bairro Barreiros CEP:88.117-200 
(48) 3029-3045 (48) 3029-3045

Aracaju- SE
Rua Duque de Caxias, 326 CEP:49.015-320 
(79) 3224-4545 (79) 3211-3595

São Paulo-SP
Avenida Indianópolis, 888, Bairro Moema Cep. 04062-001 
(11) 5054-0045 

Palmas-TO
204 Sul - Alameda 2 - Casa 52 CEP:77.020-494
(63) 3225-2008 (63) 3225-1998


Londrina-PR*
Av. Santos Dumont, 1151 (ao lado do "Intelecto Jurídico")
ou
Comitê do Beto Richa
Av. Leste-Oeste, em frente ao terminal urbano central



DIRETÓRIOS DO DEM

Rio Branco-AC



Travessa Feijó, 85 - Bairro 6 de agosto CEP: 69901-100
(68) 3223-0476

Maceió-AL
Rua Prof. Sandoval Arroxelas, 276 - Ponta Verde CEP: 57035-230
(82) 3327-8930 (82) 3327-6759

Manaus-AM
Rua Leonardo Malcher, 299.A - Aparecida CEP: 69010-170
(92) 3234-2082

Macapá-AP
Avenida Diógenes Silva 442, Bairro do Trem CEP: 68901-090
(96) 3223-5126 (96) 3223-5198

Salvador- Bahia
Av. Prof. Magalhães Neto, 1856 - Ed. TK Tower – 17º Andar – Sala 170
CEP: 41810-012
(71) 3272-4194 (71) 3271-0411

Fortaleza-CE
Rua Pereira Filgueiras - 2020 - Sala 1001 - Aldeota CEP: 60160-150

Brasília-DF
Ed. BRASAL II - Quadra 04 - 6º andar - SCS CEP: 70304-909
(61) 3223-7788 (61) 3224-3488

Vitória-ES
Rua Dr. Eurico de Aguiar, 888/ Sala 1202, Edifício Metropolitan Office, Bairro Santa Lúcia 
(27) 3345-1716

Goiânia-GO
Rua 108 n° 327 - Setor Sul CEP: 74085-080
(62) 3278-1441

São Luís-MA
Rua dos Pinheiros Quadra 19 Casa 17 - São Francisco CEP: 65076-250 
(98) 3235-7194

Belo Horizonte-MG
Rua Antônio de Albuquerque, 1627 - Funcionários CEP: 30112-011
(31) 3264-2525

Campo Grande-MS
Rua Brasil 305 São Francisco CEP: 79010-230 
(67) 3324-0130 (67) 3324-0782

Cuiabá-MT
Av. São Sebastião, 1885/ Praça Manoel Murdinho - Bairro Goiabeiras CEP: 78020-540
(65) 3624-8820 (65) 3623-3822

Belém-PA
Rua São Francisco nº 36 - Cidade Velha CEP: 66023-530
CEP: 66023-530
(91) 3225-6668

João Pessoa -PB
Rua Deputado Barreto Sobrinho, 320 - Tambiá
CEP: 58020-680
(83) 3222-7677 (83) 3222-4743 (83) 3222-5727

Recife-PE
Rua Marques do Amorim, nº 548 - Ilha do Leite 
CEP: 50070-330
(81) 3423-0758 (81) 3423-0599

Teresina-PI
Rua Eliseu Martins, 1811 – Centro CEP: 64000-120
(86) 3222-0229 (86) 3221-1965

Curitiba- PR
Rua Visconde do Rio Branco, 125 - Mercês CEP: 80410-000
(41) 3075-3525

Rio de Janeiro-RJ
Av. das Américas, 3500 Hong Kong 2000, grupos 402/403 Barra da Tijuca CEP: 22640-102
(21) 3796-8653 (21) 3796-8654 (21) 3796-4833

Natal-RN
Avenida Amintas Barros, 4488 - Morro Branco CEP: 59075-250
(84) 3234-4333 (84) 3234-1112

Porto Velho-RO
Rua Getúlio Vargas 4095 Bairro São João Bosco CEP: 76800-000
(69) 3229-9567 (69) 3223-1124

Boa Vista-RR
Av. Brigadeiro Eduardo Gomes, nº.1905 - São Francisco CEP: 69305-010
(95) 3623-7551

Porto Alegre-RS
Av. Polônia, 356 - São Geraldo CEP: 90230-110
(51) 3029-5525 (51) 3012-2522

Florianopólis-SC
Rua Barão de Batovi, 488 – Centro CEP: 88015-340
(48) 3212-6797 (48) 3222-6668

Aracaju-SE
Av. Beira Mar, 682 – Praia 13 de Julho CEP: 849020-010
(79) 3214-2985 (79) 3214-0425

São Paulo-SP
Rua Boa Vista, 76 - 4º andar - Edifício Vista Alegre - Centro CEP: 01014-000
(11) 3115-2525 (11) 3105-2525

Palmas-TO
Qd 108 Sul, Alameda 12, Lote 20/22 CEP: 77020-114
(63) 3215-4370 (63) 3215-8697




DIRETÓRIOS DO PPS


Rio Branco-AC
Rua Alexandre Fahar, nº 101 - Sala 06 - Bosque CEP: 69.909-410

Maceió-AL
Avenida Comendador Leao, nº 949 - Jaragua / Poco CEP: 57.025-000
(82) 3336-0323 (82) 3334-2330

Manaus-AM
Rua Afonso Pena, nº 637 - Centro CEP: 69.020-160
(92) 3231-1690

Macapá- AP
Rua Jovino Dinoá, nº 3035 - Trem / Central CEP: 68.901-120
(96) 3223-6616 (96) 3223-6581

Salvador-BA
Alameda dos Sombreiros, nº 32 - Caminho das Árvores CEP: 41.820-420
(71) 3334-2251 (71) 3334-8196 (71) 3334-2251

Fortaleza-CE
Avenida Rui Barbosa, nº 2818A - Joaquim Távora CEP: 60.115-222
(85) 3225-2634

Brasília-DF
SDS Bloco L, nº 30, Edifício Miguel Badya, Sala 322 - Asa Sul CEP: 70.394-901
(61) 3321-2521

Vitória- ES
Rua Almirante Soído, nº 410 - Edifício San Thomas - Apto. 701 - Praia do Canto
CEP: 29.055-020

Goiânia-GO
Av. Araguaia, nº 827 - Centro CEP: 74.030-100

São Luís-MA
Praça Catulo da Paixão Cearense, nº 40 - Vila Passos CEP: 65.025-240
(98) 3231-0843

Belo Horizonte-MG
Avenida Afonso Pena, n° 2793 - Funcionários CEP: 30.130-006
(31) 3281-6323

Campo Grande- MS
Rua Antônio Corrêia, n° 767 - Jardim Monte Líbano CEP: 79.004-460
(67) 3026-5323

Cuiabá-MT
venida Historiador Rubens de Mendonca, nº 2254 - Edifício América Business Center - 5º Andar - Sala 503/504 - Jardim Aclimação CEP: 78.050-000
(65) 3054-0344

Belém- PA
Travessa Apinagés, nº 212 - Batista Campos - entre Tamoios e Mundurucus 66.025-080
(91) 3241-0654 (91) 3241-0654

João Pessoa- PB
Rua Padre Meira, nº 35, Salas 702/703, Edifício Paraná - Centro CEP: 58.013-200

Recife- PE
Rua Viscondessa do Livramento, n° 98 - Derby CEP: 52.010-060
(81) 3421-1883

Teresina-PI
Av. Mal. Castelo Branco, 201 - Cabral - (Assembléia Legislativa do Piauí ) Gab. Dep. Antonio Felix CEP: 64.000-000
(86) 3133-3149 (86) 3133-3151

Curitiba-PR
Doutor Manoel Pedro, nº 683 - Cabral CEP: 80.035-030
(41) 3259-3223 (41) 3259-3233


Rio de Janeiro-RJ
Avenida Erasmo Braga, n° 255, Sala 304 - Centro CEP: 20.020-000
(21) 2210-2249

Natal- RN
Rua Marechal Rondon, n° 1960 - Candelaria CEP: 59.064-730
(84) 3234-0901 (84) 3082-0714

Porto Velho- RO
Rua Senador Álvaro Maia, n° 1454 - Olaria CEP: 76.801-270
(69) 3221-2300

Boa Vista-RR
Rua Coronel Mota, n° 1775 - Centro CEP: 69.301-120
(95) 3623-2542

Porto Alegre-RS
Rua Pelotas, n° 280 - Floresta CEP: 90.220-110
(51) 3221-4444

Florianopólis-SC
Praça XV de Novembro, n° 153, Edifício João Moritz, Sala 102 - Centro CEP: 88.010-400
(48) 3333-4114

Aracaju-SE
Rua Vila Cristina, n° 206 - São José CEP: 49.015-000
(79) 3211-1222

São Paulo-SP
Rua Dona Germaine Burchard, n° 352 - Água Branca CEP: 05.002-061
(11) 3477-2388 (11) 2157-8823 (11) 3675-6492

Palmas-TO
Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins, Gabinete 11, Praca Girassóis - Plano Diretor Norte CEP: 77.001-902
(63) 3218-4008 (63) 3218-4009




DIRETÓRIOS DO PTB

Rio Branco-AC
Rua Alexandre Farhat, 279 - Bairro José Augusto, CEP: 69.909-410
(68) 3222-8770

Maceió-AL
Avenida da Paz, nº 1388, ed. Avenue Center, sl 309/311 - Centro - CEP: 57.020-440
(82) 3336-1414

Manaus-AM
Av. Via Láctea, nº67 - Conj. Morada do Sol CEP: 69.060-085
(92) 3307 3711 (92) 3307 3712

Macapá-AP
Rua Hildemar Maia, 926 - Santa Rita CEP: 68.906-020
(96) 3223-8295 (96) 3223-2785

Salvador-BA
Rua: Edístio Pondé, nº 353, Edf. Empresarial Tancredo Neves, Sala: 404, Costa Azul CEP 41.770-395
(71) 3342-1414

Fortaleza-CE
Rua Tertuliano Sales, 327 - Bairro Vila União - CEP: 60410-790
(85) 3472-1932

Brasília-DF
SHS Qd. 02 - Bl I - lj 04 - Galeria Hotel Bonaparte - Asa Sul CEP: 70322-901
(61) 3226-3478 (61) 3322-0014

Vitória-ES
Av. Saturnino de Britto, 995 - Aptº. 402, Praia do Canto CEP: 29.055-180

Goiânia-GO
Av. Anhanquera, 5674 - Ed. Palácio do Comércio - sala 29 - Sobreloja - Goiânia/GO CEP: 74.043-010

São Luís-MA
Rua do Sol, 665 - Centro - CEP: 65.025-900
(62) 3212-1414

Belo Horizonte-MG
Rua Paracatu, 1129 - Santo Agostinho CEP: 30.180-091
(31) 3337-0014

Campo Grande-MS
Rua: Rio Grande do Sul, 1782 - Vila Gomes CEP: 79.022-330
(67) 3042-0014 (67) 3025-1400

Belém-PA
Av. Duque de Caxias nº 1360. Bairro: Marco. CEP: 66087/000
(91) 3225-1413 (91) 3225-2409

João Pessoa-PB
Av. Camilo de Holanda, n. 905 - Centro CEP: 58.040-340
(83) 3241-1974 (83) 3241-1974

Recife-PE
Esmeraldino Bandeira, 68, Graças - CEP: 52.011-090
(81) 3231-0145 (81) 3223-0057

Teresina-PI
Rua Benjamim Constant, 2163 - Centro CEP: 64.000-280
(86) 3221-8824 (86) 3221-8824

Curitiba-PR
Av. Cândido de Abreu, 526, torre B, 6º andar, conj. 611 - Centro Cívico CEP: 80530-905
(41) 3076-9152

Rio de Janeiro-RJ
Rua: Alcindo Guanabara, nº 24, sala:1704, Centro CEP: 20031-130
(21) 2262-0668 (21) 2240-5754 (21) 2532-3903


Natal-RN
Av. Senador Salgado Filho - 2190 - Ed. Portugal Center - sl 113 - Lagoa Nova - CEP: 59.056-000
(84) 3206-1540 (84) 3606-0014 (84) 3234-7557

Porto Velho-RO
Rua José Camacho nº 1375, 1º andar SL, lojas 04 e 05. Bairro São João Bosco - JD América CEP: 76.803-708
(69) 3224-4001

Boa Vista-RR
Av. Capitão Julio Bezerra, nº 2089, Bairro: 31 de março. CEP: 69.305-294
(95) 3624-2818

Porto Alegre-RS
Travessa do Carmo, 142 - Cidade Baixa - CEP: 90.050-210
(51) 3286-2000 (51) 3210-2914 (51) 3286-6578

Florianópolis-SC
Travessa Ratcliff, nº 25 - Edifício Osmar Regueira - Sala:208 - Centro CEP: 88.010-470
(48) 3365-5014

Aracaju-SE
Rua: Dr. Olavo Ferreira Leite, 104, Conjunto Leite Neto, Bairro: Grageru CEP: 49.027-120
(79) 3211-9631



São Paulo-SP
Av. 09 de julho - 4079 - Jardim Paulista - CEP: 01.407-200
(11) 3884-3804 (11) 3884-2738 (11) 3884-3806





*informação ofertada por um amigo

PS1: sugiro que vocês liguem antes de ir até os diretórios (não são comitês), perguntando se já há comitês formados. É possível que existam comitês em outros endereços em cada cidade. Se você descobrir mais endereços, por favor me envie comentário ou tweet (@danib_i). Envie também o telefone do local. Quem mora em outras cidades pode ligar para o diretório do seu estado e pedir informações sobre comitês e diretórios regionais.

PS2: quem vota 45 se preocupa com gestão de recursos, certo? Portanto, nada de desperdício. Vamos otimizar o uso dos materiais!


PS3: Endereços de todos os comitês Beto Richa no Paraná (peça materiais do Serra também lá:)




Endereço Comites PR

Comites PSDB – PR
Ponta Grossa – Rua Felipe Justos, 277
Jacarezinho – Rua Costa Junior, 1206
Cornélio Procópio – Rua Benjamim Constante, 669
Londrina – Rua Arcebispo Dom Geraldo Fernandes, 1320w
Apucarana – Av. São João, 45 Jardim Apucarana
Ivaiporã – Rua Jacarezinho, 815 Centro
Campo Mourão – BR 158- Av. Cap. Indio Bandeira, 3160
Cianorte – Avenida América,5090 Centro
Maringá – Rua Mauá , 1928 Vila Operária
Paranavaí – Rua Enira D. Morais, s/n Jardim Renata
Umuarama – Avenida Londrina, 3891 Centro
Toledo – Rua Raimundo Leonardi, 1223
Cascavel – Rua Antonia, 2523
Fco Beltrão – Rua Julio Assis Cavalheiro, 1304
Laranjeiras do Sul – Rua Barão do Rio Branco, 2479
Pato Branco – Rua Guarani, 749 Centro
U. Vitória – Rua Zacarias Goes de Vasconcelos, 119
Irati – Av. Dr Vicente Machado, 1392 Rio Bonito
Guarapuava – Rua Leonardo Valente Hiczy, 587
Paranaguá – Av. Gabriela de Lara, 902
São José dos Pinhais – Rui Barbosa, 9443
Colombo – Rua Abel Scuissiato, 1043
Foz do Iguaçu – Rua Di Cavalcanti, 2292 Vila Pontes
CURITIBA
Portão – Ildefonso Stockler de França, 232 
Pinheirinho – Rua Jaime Rodrigues da Rocha, 368
Bairro Novo – Rua Quitandinha, 623
Boqueirão – Av. Marechal Floriano Peixoto, 9965
Cajuru – Av. Senador Salgado Filho, 5148
Boa Vista – Rua México, 595
Santa Felicidade – Av. Vereador Toaldo Tulio, 1245
CIC – Avenida JK, 880
JPSDB – Rua Baltazar Carrasco dos Reis, 2513 Rebouças (Juventude)
Diretório Estadual do PSDB – Rua Reinaldino S. de Quadros, 292 Alto da Rua Xv
Fone: (41) 3015-4545

sábado, 22 de maio de 2010

O que você pode fazer

Muitas pessoas me perguntam o que fazer, principalmente na internet, para ajudar o Brasil nestas eleições. Querem dicas de como agir para impedir mais um mandato petista no governo federal.
Algumas sugestões:

Twitter
Siga o Serra, leia tudo o que ele twittar, dê RT nos tweets dele.
Siga pessoas que trazem informações relevantes e pessoas da sua região ou cidade que tenham afinidade política, para fortalecer laços e montar equipes de trabalho durante a eleição.
Seja autêntico. Escreva de política também, mas não só.

Youtube
Veja, divulgue, favorite e principalmente avalie positivamente vídeos a favor do Serra e contra a Dilma.

Blogs e portais
Leia diariamente o Gente Que Mente, o Brasil de Verdade, o Amigos do Serra, o Reinaldo Azevedo, o Augusto Nunes, o Coturno Noturno, o Imprensa Marrom e o Mobiliza. Comente quando tiver algo a dizer ou complementar e, principalmente nos portais, não deixe a mentira proliferar.
Leve posts importantes para as redes sociais, espalhe-os por email. Imprima textos e notícias relevantes e entregue para as pessoas que não acessam a internet.
Arquive links e posts com argumentos e matérias para usá-los nos debates.
Se você tem um blog, mesmo que não seja político, mantenha-o atualizado com suas opiniões pessoais. Recomende outros blogs que compartilhem do mesmo posicionamento e principalmente divulge os endereços acima.

Enquetes
Responda a todas que puder, em sites de notícias, portais, no Orkut. Leve para as redes sociais os links de novas enquetes.

Orkut
Participe e divulgue as comunidades do Serra - as verdadeiras, claro. Participe de comunidades regionais, dos estados, ou temáticas (como educação e ecologia), conforme suas áreas de interesse.
Sempre que souber de comunidades onde mentiras sobre o Serra ou sobre os partidos de oposição estiverem sendo espalhadas, leve o link dos tópicos para as comunidades do Serra e peça ajuda. Em contrapartida, ajude quando solicitado.

Facebook
Participe e divulgue as páginas e grupos de discussão em homenagem ao Serra.

Do virtual para o real...
Procure trazer seus contados do universo virtual para a vida real, principalmente os da sua região. Marque encontros em lugares públicos, troquem emails (se for o caso faça um apenas para a campanha), criem correntes de contato em privado para agendar ações durante a campanha.

... e do real para o virtual
Fique atento à agenda do Serra. Quando ele estiver em sua cidade ou região, vá até o evento. Procure tirar fotos do encontro, do Serra e com o Serra. Se puder, faça vídeos. Depois publique o material nas redes sociais.

E principalmente
Não entre em discussões pessoais, nem no mundo real nem no virtual. E não leve nada tão a sério. Sem bom-humor, tolerância e paciência ninguém vai sair do lugar.
Se o ofenderem, não ocupe o papel de vítima nem revide com mais agressão. Simplesmente argumente com educação quando couber ou deixe o agressor se desmoralizar sozinho.
Cuidado com posições politicamente incorretas. Sei o quanto isso pode tornar o mundo muito chato, mas neste momento você está defendendo um candidato a presidente e suas idéias. É como se estivesse usando um distintivo. Tudo o que você fala ou faz é indiretamente repassado à imagem do Serra ou do PSDB. Então opte por não fazer piadas que envolvam religião, futebol, opção sexual ou gracinhas com regiões ou estados do país - ainda que você pertença a ele. A linha que separa a brincadeira politicamente incorreta e o preconceito é muito tênue e, mesmo que você tenha razão, no calor do debate não haverá espaço para você se explicar. Pode ficar uma péssima impressão.
Ademais, risque os palavrões do vocabulário. Não ganharão um único voto.
Mantenha uma atitude positiva, animada, otimista, esperançosa, bem-humorada, entusiasmada.

sexta-feira, 2 de abril de 2010

Cláusula pétrea - Sérgio Guerra na Folha

A diferença entre Chávez e o PT está
só no uso da força policial. A outra
violência, de interferir no que a
população deve "pensar", é a mesma


É VERMELHO o sinal de alerta contra as tentativas de estabelecer a ditadura do pensamento único e do controle dos meios de comunicação no Brasil e na América Latina. A escalada já contaminou Argentina, Equador, Bolívia e Venezuela, onde Hugo Chávez retirou do ar canais a cabo, por recusarem-se a transmitir seus intermináveis monólogos.
Aqui, os petistas disfarçam, mas vão continuar tentando estabelecer alguma coisa que lhes permita interferir na liberdade de imprensa, de pensamento e de opinião. Os petistas fazem vista grossa ao que acontece com os latino-americanos, alegando que são problemas internos daqueles países.
Assessor de relações internacionais do Planalto, Marco Aurélio Garcia chegou a dizer que havia liberdade de imprensa "demais" na Venezuela. Não é coincidência que Chávez, para retribuir, já anunciou que sua preferência nas eleições brasileiras seria a candidatura oficial.
A mais recente e vergonhosa omissão aconteceu em relação a Cuba, onde o governo brasileiro sorriu, abraçou e se deixou fotografar com os irmãos Castro. Enquanto isso, o povo cubano enterrava, cercado pela polícia, Orlando Tamayo, um pedreiro pacifista de 42 anos que os castristas deixaram morrer de inanição depois de 85 dias de greve de fome. Tamayo estava confinado há mais de 30 anos por crime de opinião.
Quantos mais precisarão morrer para se libertar? É a pergunta que o mundo se faz e os dirigentes do PT fingem não ouvir.
Em Cuba, cometem crime de opinião todos os que não se contentam em ler o "Granma", órgão oficial do Partido Comunista. Inspirado no "Pravda", é o único jornal autorizado a circular na ilha. Note-se que o seu inspirador russo foi criado por Trótski, em 1908, justamente para furar a censura imposta aos intelectuais que lutavam contra os czares.

Para o PSDB não é hora de tergiversar. É o momento, sim, de todos os que acreditam e têm a liberdade de pensamento como convicção defenderem a imprensa livre. Com autonomia para apurar, investigar e publicar, respeitados os limites da lei. Assim como o direito de resposta.
O arbítrio ou qualquer dos seus eufemismos têm que ser rechaçados com firmeza. Democracia se faz com liberdade e respeito ao direito de opinião e manifestação. Essa é a garantia de que, ao final, a verdade aparece.
Apesar do repúdio generalizado, o governo petista não cessa as tentativas, iniciadas em 2004 com o Conselho Federal de Jornalismo, autarquia pensada para dar emprego aos "companheiros", censurar e punir jornalistas e empresas de comunicação. No ano seguinte os petistas inventaram a Agência Nacional de Cinema e Audiovisual, outra clara forma de controle da produção intelectual.
Pararam? Não, continuaram na Conferência Nacional de Comunicação, onde as mentalidades chavistas propuseram o "controle social" dos meios de comunicação. E como são mobilizações que agradam e dão ocupação aos "companheiros", a luta continua nas próximas conferências nacionais, para as quais não faltam propostas de interferência e controle.
A diferença entre Chávez e o PT está apenas no uso da força policial. A outra violência, de interferir no que a população deve "pensar", é a mesma.
Aqui, os petistas acham-se no dever de manter toda a sociedade sob seu controle. Acreditam-se mais capazes e inteligentes, esquecendo-se de que leitores, ouvintes e telespectadores simplesmente podem ler outro jornal ou site, mudar a estação de rádio ou TV. E de voto.
Para dissimular concepções autoritárias, quando não podem fugir ou se esconder, os petistas tentam confundir. Foi o que tentaram fazer recentemente ao lançar o 3º Programa Nacional de Direitos Humanos, em dezembro passado, e compará-lo aos dois anteriores feitos quando o PSDB ocupava a Presidência da República.

Não colou. A diferença fundamental entre o atual programa e os anteriores é simples: está na origem. É isso que gera credibilidade ou não.
Quando apresentou suas propostas, em 1996 e 2002, o PSDB trabalhou para desenvolver projetos representativos de todos os segmentos sociais, democraticamente. Sem revanchismos, perseguições, sem volta ao passado.
Se o PT não é confiável, o PSDB é.
Para o nosso partido, a liberdade de imprensa, a de opinião e a de manifestação são cláusulas pétreas da democracia. É assunto que não está em discussão. Ao contrário do que faz o PT.
Essa discussão de métodos, filosofias e práticas não estará fora das eleições de 2010. Dizer a verdade, apontar erros e manipulações, pensar livremente e sem tutelas são direitos, mas também deveres, inerentes à cidadania. E princípios básicos da democracia.



http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/fz0104201008.htm

terça-feira, 30 de março de 2010

Entrelinhas

Se você não viu ainda, pare tudo para ver a prova de que a greve da Apeoesp contra o governo de São Paulo é po-lí-ti-ca:


Numa altura do vídeo, Bebel, a mulher forte da Apeoesp, fala: "nós estamos aqui para quebrar a espinha dorsal desse partido e desse governador".

Se prestarem atenção, vai um elogio nas entrelinhas desta frase.

Espinha dorsal é o que mantém uma estrutura em pé. É, pois, onde ela é mais forte. Bebel, com seus protestos, só pode atingir o setor da educação, setor ligado ao seu sindicato. Logo, a educação é o sustentáculo do governo Serra, onde ele é melhor, é sua prioridade, seu núcleo duro.

A tática não me espanta. Os petistas, de fato, não criticam o que realmente precisa ser criticado (nenhum governo é perfeito). Concentram a repetição das críticas nos pontos em que o oponente é mais forte, até que se crie um senso-comum que inverte a realidade. É o caso da segurança pública, da educação e da saúde no estado de São Paulo.

Lembram que chamavam o Serra - o melhor ministro da saúde que o Brasil já teve - de "Ministro da Dengue"? Lembram o PT maldizendo o Plano Real e a Lei de Responsabilidade Fiscal?

É uma tática que emudece o opositor, tamanho absurdo. E conta com a ignorância e a alienação das pessoas a respeito da vida pública.

sábado, 20 de março de 2010

Gente sem coração

Recebi estas fotos da Cris Azevedo, de Florianópolis, por email. Aviso: ligue a tecla SAP.

Enchentes em São Paulo, nas décadas de 50 e 60:









É como diz a Cris, TUUUDO culpa do Serra, do FHC, do Kassab, e do FMI.

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Se a imprensa não faz justiça, internet serve para isso

Há alguns dias o governador de São Paulo e seu secretário de educação, Paulo Renato, foram achincalhados pela imprensa (e na internet também) porque alunos da Escola Estadual Pres. Café Filho foram fotografados sentados em papelão no primeiro dia de aula. A sindicalistaiada, partidária que só ela, aproveitou para fazer críticas à educação do estado, uma das melhores do país, transformando um fato isolado em regra. E nem era o caso de tomá-lo como fato isolado: os móveis só não chegaram à tempo para o primeiro dia de aula PORQUE SÃO TODOS NOVOS.

Então, que sejamos nós, internautas, os porta-vozes da realidade. Acima, a escola mobiliada em foto atual. Tem mais aqui:

Rede de Blogs pela Democracia


A iniciativa é do Coronel. É uma rede de blogs, não necessariamente políticos, de pessoas (partidárias ou não) que identificam o terrorismo eleitoral que os governistas querem imprimir à campanha presidencial deste ano, e têm consciência das consequências que isso pode ter sobre a democracia brasileira.

Se você quiser participar e ser um voluntário pela resistência democrática, deixe o endereço de seu blog e um e-mail aqui:

http://blogspelademocracia.blogspot.com

Este será um ano difícil para o Brasil. É preciso união pela verdade para que a mentira não triunfe.


quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Ei, você que não acredita mais que o Brasil tenha solução

Prestenção aqui: eu também ando bem descrente. Entendo seus motivos. A gente junta o poder dos fundos de pensão aparelhados, os movimentos sociais controlados por um ideário perigoso, a força econômica da propaganda governamental, a flacidez unilateral do judiciário e o marxismo nas escolas com otras cositas más do noticiário e quebra a cabeça, dá um suspiro e finalmente toma consciência de que vai morrer antes de ver o Brasil tomando jeito, né?

Mas é preciso fazer alguma coisa já. Porque solução há, embora bem demorada. E ela necessariamente passa por plantar sementes de idéias que andem na contra-mão do estatismo, como as do Instituto Millenium.

É por isso que recomendo o Fórum Democracia e Liberdade de Expressão que o Instituto Millenium está realizando dia 1º de março, em São Paulo ( http://www.libermaneventos.com.br/clientes/forum/ ), que contará com a presença de Roberto Civita, Marcel Granier (da emissora venezuelana RCTV), Demétrio Magnoli, Denis Rosenfield, Marcelo Madureira, Reinaldo Azevedo, Roberto Romano, Willian Waack e outros grandes nomes.

Se você também está buscando luz no fim do túnel, ajude a divulgar. É importante.

Salve Cristovão Tezza! "A resistência da esquerda"

Dias atrás li uma manchete aqui na Gazeta que fala por si: “Irã en forca dois acusados de liderar protestos; 12 podem ser mortos”. Os crescentes protestos no Irã são contra a fraude eleitoral que reelegeu Mahnoud Ahmadinejad na presidência do país. O mesmo cidadão para quem, há pouco tempo, Lula serviu cafezinho e trocou sorrisos aqui no Brasil – lembrando-se de dizer, com a graça de sempre, que os protestos que aconteciam lá eram uma chiadeira de perdedores. A ideia de que se pode enforcar pessoas que protestam nas ruas contra o resultado de uma eleição, ou o que seja – e enforcá-las legalmente, de acordo com os trâmites dos tribunais – é tão visceralmente absurda que sempre me surpreende a dificuldade das esquerdas para colocar um foco em alguns dos direitos fundamentais da condição humana. O horror iraniano seria tolerável em nome de alguma contrapartida ao “poder americano”, ou outro mantra do gênero.

Há como que um deslocamento da questão central para duas direções: ou em nome de alguma utopia fundamentalista que exige o sacrifício hoje para que se alcance amanhã o paraíso terrestre (a máquina ideológica que criou e sustentou a União So viética), ou o que se costuma chamar de “pragmatismo político” – o mesmo que deu casa e comida para a equipe de Zelaya durante meses num dos mais bisonhos fracassos da nossa política externa. Na Venezuela, o que menos preocupa são as nacionalizações; o sinal evidente de que algo ainda vai se transformar em tragédia irreversível naquele país são as “milícias bolivarianas”, um re curso clássico do fascismo – criar um exército particular de fanáticos que respondem diretamente ao presidente da República e que exercem a função onipresente de “guardas da esquina”. É uma viagem sem volta porque destrói o país. Qualquer análise fria verá que o legado de Hugo Chávez será uma ruína política, cultural e social duradoura, como sempre acontece nas ditaduras.

Para a geração de esquerda que hoje tem de 50 a 70 anos, ronda o eterno fantasma da revolução cubana e dos sonhos ideológicos dos anos 60. Costuma-se dizer que os sonhos são bons, mas se corrompem; a questão é que o imaginário sincero que moveu aquela geração de lutadores era fundamentalmente um equívoco – o pressuposto político de que a felicidade humana depende da eliminação das diferenças, e não de seu cultivo. Cuba foi so terrada pela sua revolução; hoje é uma sombra de um país, comandado por uma gerontocracia policial e militar truculenta que não pensa em outra coisa senão na sobrevivência própria, dia a dia, porque sabe que não tem futuro. Parece que a resistência da esquerda sincera em reconhecer o óbvio deve-se muito mais ao amparo psicológico que precisamos para dar algum sentido à nossa vida do que a qualquer análise racional. Enquanto isso, os enforcamentos prosseguem no Irã.


http://www.gazetadopovo.com.br/colunistas/conteudo.phtml?tl=1&id=971937&tit=A-resistencia-da-esquerda

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

"Essa conversa de herança maldita é pura bobagem"

Claudio Salm é entrevistado por Marcio Aith para a Folha de São Paulo.

"Essa conversa de herança maldita é pura bobagem"
Para economista, Lula é continuidade de FHC, com o que tem de bom e de ruim
O economista Claudio Salm diz que a evolução dos indicadores sociais no Brasil não é conquista de um único partido ou de um único presidente. Segundo ele, o país está melhor por uma sucessão de fatores que não obedece ao calendário ou à lógica eleitoral. Entre eles, a consolidação de uma mesma política social, a queda na taxa de natalidade e o fim de um duro ciclo estrutural de crescimento sem emprego, que durou até 2000.
claudio_salm

economista e professor Claudio Salm dá entrevista em seu apartamento, no Rio de Janeiro (Foto: Luciana Whitaker/Folha Imagem)

Com base em dados do IBGE desde 1996, Salm constata uma progressão contínua na qualidade de vida dos mais pobres. Mas, por meio de outros indicadores, diz que serviços universais, como educação e saúde, pioraram. Aos 67 anos, Salm graduou-se pela Universidade Federal do Rio, fez pós-graduação no Chile e doutorado na Unicamp. Sua tese, Escola e Trabalho, foi publicada pela editora Brasiliense em 1982.

FOLHA – Quais são os indícios de que, entre os governos FHC e Lula, houve continuidade, e não ruptura, nas políticas sociais?

CLAUDIO SALM – Do ponto de vista da política econômica já sabemos que não houve qualquer ruptura, como o próprio Lula havia anunciado que não haveria, em 2002, na famosa Carta aos Brasileiros. Eu diria até que, em alguns aspectos, como o da política monetária, Lula é mais conservador que FHC. Conservador no sentido do excessivo cuidado em relação à banca. Quanto à política social, é só conferir os números. O período Lula é uma continuidade do período FHC, com tudo o que tem de bom e de ruim. Houve uma progressão contínua na qualidade de vida dos 25% de brasileiros mais pobres. Desde 1996, vários indicadores melhoram mais ou menos no mesmo ritmo: acesso às redes de água e esgoto, coleta direta de lixo, iluminação elétrica, posse de telefone, máquina de lavar. Essa conversa de herança maldita é pura bobagem.

FOLHA – Mas, vistos assim, de forma panorâmica, os indicadores sociais sempre melhoram. É possível dizer que FHC também não rompeu com Itamar, que não rompeu com Collor e assim vai.

SALM – Não é bem assim. Há inflexões importantes, fatores demográficos, ciclos, crises, políticas acertadas, políticas equivocadas. Uma reforma que tornasse nossa arrecadação tributária mais justa poderia ser uma inflexão de grande alcance social.

FOLHA – Cite indicadores que pioraram ao longo da história.

SALM – São muitos. A década de 80 foi desastrosa para o mercado de trabalho, trazendo graves consequências para o nível e a qualidade do emprego: informalidade e a interrupção de uma longa trajetória de crescimento do trabalho assalariado com carteira assinada. Outro exemplo é o salário mínimo. Ele ainda está abaixo do que era sob a Presidência JK [1956-61], embora tenha aumentado 50% no governo FHC e outro tanto no governo Lula. Aliás, a recuperação do salário mínimo começou para valer a partir de 1995, quando FHC deu um aumento de cerca de 40% com a inflação já debelada.

FOLHA – Qual foi o papel da demografia no processo de melhoria dos indicadores sociais?

SALM – No Brasil, uma herança bendita foi a queda na fecundidade a partir de meados dos anos 60. A transição demográfica no Brasil foi das mais intensas. Como a queda na natalidade foi muito mais acentuada entre os mais pobres do que entre os mais ricos, o aumento da renda foi maior justamente entre os pobres. Além disso, a crescente proporção de idosos tem sido mais que compensada pelo menor número de filhos. Como mais de 80% dos idosos recebem benefícios previdenciários, eles não são dependentes como as crianças, mas, com o perdão do economicismo rude, um ativo valioso.

FOLHA – Voltando ao Lula, como se pode afirmar que não houve ruptura se o gasto social aumentou em termos absolutos e relativos?

SALM – Eu diria que continuou aumentando. A expansão do gasto público social foi uma medida acertada. Mas a redução recente da desigualdade se deve mais a outros fatores, como a volta do emprego formal, o aumento do salário mínimo e o fim de um ciclo.

FOLHA – Que ciclo é esse?

SALM – A abertura abrupta no início da década de 90 levou a fortes e rápidas transformações estruturais, especialmente na indústria. Surgiu pela primeira vez entre nós, como um grave problema, o desemprego aberto. Foi nessa época que ganhou força a ideia do crescimento sem emprego, justamente por causa da rápida modernização da indústria. As grandes transformações tecnológicas, a matança de pequenas empresas, a racionalização, tudo isso durou até os anos 90. Findo esse processo, as coisas se arrumaram e o crescimento voltou a ser altamente promotor do emprego. É impressionante a correlação entre crescimento e geração de emprego dos anos 2000 para cá. O crescimento recente voltou a gerar empregos para os segmentos pouco qualificados, o que foi mais importante do que o Bolsa Família para explicar a melhora da distribuição de renda.

FOLHA – Não se deve a Lula criação de empregos formais? Afinal, FHC defendia a superação do getulismo.

SALM – Não vejo nada de errado nesse aspecto do getulismo. Errado é querer desregulamentar o mercado de trabalho num país como o nosso, com enorme excedente de mão de obra de baixa qualificação. O governo do PT ensaiou, mas acabou não comprando a ideia da urgência da reforma trabalhista. Deixou isso de lado. O crescimento é a grande variável na geração de emprego e não a flexibilização trabalhista. Quem pensava assim, acertou.

FOLHA – 32 milhões de brasileiros ingressaram no conjunto das classes A, B e C sob Lula. Isso não é ruptura?

SALM – No mesmo período houve diminuição da pobreza e melhoria da distribuição de renda em quase toda a América Latina. É verdade que, no Brasil, foi ainda mais rápido. Isto já vinha do governo FHC, quando o IDH aumentou e a população pobre caiu 10%. O processo aqui foi favorecido pelo maior crescimento. Durante FHC o PIB anual cresceu em média 2,3%; durante Lula, 3,9%. Isso não é ruptura, mas ciclo econômico, como já tivemos tantos. Não podemos esquecer que a estabilidade do Real também reduziu a pobreza e o desemprego.

FOLHA – E o papel do Bolsa Família?

SALM – Programas sociais de transferência de renda são, sim, fundamentais para reduzir a miséria absoluta. Ainda mais quando cumprem com condicionalidades, como a exigência de frequência à escola. Ninguém seria louco de eliminá-los. O Bolsa Família não deixou de ser uma continuidade: juntou o Bolsa Escola e o Bolsa Alimentação, que vinham do governo anterior. O Bolsa Família também pode funcionar, indiretamente, para elevar os rendimentos do trabalho. Quem recebe o benefício tem melhores condições para resistir a uma diária aviltante. Mas não é tudo o que parece quanto à distribuição de renda. Nesse sentido, mais importante foram o crescimento do emprego e a recuperação do salário mínimo. O gasto público social aumentou? Ótimo. Mas, simultaneamente a isso, as políticas sociais universais, como educação e saúde, ficaram para trás.

FOLHA – Em dez anos, o número de alunos em universidades saltou de 2 milhões para 4 milhões. Esse aumento não o sensibiliza?

SALM – Para falar a verdade, pouco. Formou-se no Brasil um ciclo nefasto, que começa na falta de atendimento de creche e de pré-escola e acaba em gigantescas universidades privadas que estão mais para escolões do que para universidades. A coisa funciona assim: como o percentual de crianças com atendimento adequado na educação infantil é mínimo, elas já chegam ao ensino fundamental com deficiências. Aí avançam rapidamente, com o artifício da progressão continuada ou do ciclo básico, mecanismos que escamoteiam a repetência. Quando sai do ensino fundamental, não sabe nem falar, nem articular direito. Não avançamos na implantação do horário integral. Tampouco avançamos na melhoria do ensino médio. No governo FHC os alunos no ensino público federal aumentaram em torno de 50%. Sob Lula, o ritmo caiu pela metade.

FOLHA – É melhor ter ou não ter o que o senhor chama de escolões?

SALM – É melhor tê-los. Mas melhor ainda seria dar qualidade ao ensino fundamental e assegurar a passagem dos egressos ao ensino médio. Se isso ocorresse, a maioria das vagas no mercado de trabalho hoje ocupadas por quem tem diploma universitário poderia ser preenchida por quem tem o nível médio. Estamos transferindo para as universidades, com tremendo gasto de recursos, o ensino que poderia ser oferecido no nível médio.

FOLHA – Quais são os indícios de que a saúde piorou?

SALM – A população nunca reclamou tanto, o que é um indício importante. Não há muitos indicadores de acompanhamento confiáveis, mas alguma coisa existe. A relação entre internações e habitantes, no SUS, vem caindo desde o governo Itamar. Parece uma coisa boa. Só que essa relação aumenta nos hospitais privados. A relação entre exames e consultas não se alterou no sistema público. Já no atendimento privado, aumentou. No Rio, os médicos dizem que as mortes evitáveis nos hospitais vêm aumentando, inclusive nas UPAs (Unidades de Pronto Atendimento, da prefeitura atual), por causa da precariedade das conexões com os hospitais do SUS. Estamos claramente diante de um subfinanciamento do SUS, como diagnostica a médica Lígia Bahia. Só não piorou ainda mais por conta da vinculação dos recursos para a Saúde, com a Emenda 29, iniciativa do Serra. O aumento e a diversificação da oferta dos remédios genéricos estagnou com o Lula, quando a Anvisa foi loteada.

FOLHA – O senhor é filiado a algum partido político? É tucano?

SALM – Nem tucano nem filiado a partido político. Votei no José Serra para presidente em 2002 e colaborei na campanha dele, mas não fiquei triste com a vitória do Lula.

FOLHA – Como o senhor avalia as duas experiências de governo?

SALM – As condições econômicas, especialmente no front externo até a eclosão da crise mundial, foram muito mais favoráveis a Lula que a FHC. O importante para mim é que a onda neoliberal não conseguiu acabar com os avanços social-democratas da Constituição de 88. O principal mérito de ambos, até aqui, é o respeito pela democracia. Na economia, vejo, como os principais problemas dos dois, a facilidade com que permitiram, ou promoveram, a apreciação cambial, os juros mais altos do mundo e o descaso, nos dois períodos, com o investimento público que está num nível baixíssimo, um dos mais baixos do mundo. Nessas áreas a continuidade foi incrível.