sábado, 30 de maio de 2009

Patrulhas e patrulhas

Pois é. Lá vou eu ter que escrever sobre esse bafafá em torno da revista em quadrinhos cheia de palavrões que o governo de São Paulo enviou para ser distribuída nas salas de leitura das escolas públicas.

Lógico que está errado. Lógico que está inadequado. E Serra concordou com isso quando deu esta excelente entrevista ao SPTV há alguns dias:

http://video.globo.com/Videos/Player/Noticias/0,,GIM1035271-7823-RESPONSAVEIS+POR+CARTILHAS+COM+CONTEUDO+IMPROPRIO+SERAO+PUNIDOS+DIZ+SERRA,00.html

Como o governador reagiu?
Primeiro chamou a responsabilidade para si, sem se omitir nem dizer que "foi traído" ou que "não sabia". Segundo deu esclarecimentos sobre as providências que a Secretaria de Educação já tinha tomado: recolheu todos os livros antes mesmo que eles tivessem chegado às mãos dos alunos. E terceiro prestou contas do prejuízo, felizmente muito pequeno, ao erário.

A entrevista foi tão esclarecedora e positiva que os entrevistadores, com toda a razão bastante descontentes no início, terminaram em bom clima e inclusive concordaram com o governador que o material era de mau gosto.

E aí o que os patrulheiros profissionais do governador fizeram? Disseram que o governador estava sendo hipócrita, que crianças eram rotineiramente expostas àquela linguagem mesmo dentro de casa durante um jogo de futebol, e que o Serra não tinha o direito de dizer que a revista era de mau gosto, porque ele é uma figura pública.

Ora, o que eles queriam? Que as revistas fossem deixadas nas salas de leitura? Que o governador não tivesse o direito de expressar sua opinião sobre a HQ?

Eu acho é muito engraçada esta patrulha ideológica e partidária que o governador Serra sofre. Se ele colocar uma vírgula fora de lugar (agora que tem Twitter, né?), é bem capaz que uma legião saia esparramando o link por aí para "provar" que o tucano é "analfa". Mas a mesma legião fica babando diante do presidente que se ufana de não gostar de ler. Descem a lenha nos Paraguais do material didático de São Paulo, mas silenciam diante da quilometral ignorância – se é que me entendem – do Apedeuta sobre as fronteiras brasileiras. Cobram que o Serra coloque medida nas palavras que usa para expressar até os gostos pessoais, porque afinal é uma figura pública, mas não cobram nada do presidente que fala "sifú" e "ponto G" diante de uma platéia cheia de estrangeiros (e o vexame não seria menor se fossem apenas brasileiros). Sem falar na história dos turcos, a vergonha mais fresquinha que os brasileiros passaram…

Em questão de políticas públicas, o livro tem que estar fora mesmo, e não há nada de hipócrita aí. Mas não acho certo ficar patrulhando quem fala ou deixa de falar palavrão, embora eu continue achando vulgar usá-lo ou fazer alusão a ele em discursos oficiais. De sua boca o dono que cuide, sobretudo se estiver dentro de um espaço privado. Agora, pior do que patrulha a quem fala palavrão só mesmo a patrulha que sofre quem diz, em público, que acha palavrão de mau gosto.
Desconfio que quem se joga no chão acusando a intransigência alheia deveria se olhar um pouco no espelho.

E, antes de terminar, é bom que eu diga que ainda tenho um pé atrás com relação às responsabilidades nesta história: falta esclarecer se o erro de classificação etária do livro foi da Secretaria de Educação ou da editora, que forneceu a listagem de publicações sugeridas por idade para a Secretaria.

Um comentário:

Brasiliano disse...

Boa tarde a todos.Os PeTralhas sao assim mesmo,gostam de dizer uma coisa e fazer outra.Se o problema fosse so na linguagem poderiamos até deixar de lado mesmo nao gostando desse comportamento.O pior é eLLes pregarem coisas que nao fazem em especial a cupula que deixa os grandes bandidos do erario que passaram antes deLLes parecerem batedores de carteira.Nao so o comportamento ditatorial,entreguista,corrupto,desonesto,vulgar,incapas,mentiroso mas principalmente preconceituoso de quem nao aceita as regras deLLes e nao precisa de bolsa alguma para viver dignamente,entao logico que tem de ter a PaTrulha contra o Serra,mas contra todos aqueles que nao condividem e nao aceitam o comportamento do Dick Vigarista da silva.