terça-feira, 28 de abril de 2009

DOMINGO É DIA DE PROTESTAR CONTRA A PRESENÇA DE AHMADINEJAD NO BRASIL

Reproduzo post do blog do Reinaldo:




Recebo, na área de comentários, o que segue, enviado pela Juventude Judaica Organizada (JJO). Leiam. Volto em seguida:

MANIFESTAÇÃO NA PAULISTA
Em uma iniciativa da Juventude Judaica Organizada (JJO) — em parceria com grupos judaicos, evangélicos, homossexuais, bahais, de defesa dos direitos humanos e da mulher, com a participação de autoridades e políticos — será realizada, na Avenida Paulista, neste domingo, uma manifestação contra a vinda ao Brasil do presidente do Irã, Mahamud Ahmadinejad.
Um país democrático como o Brasil NÃO PODE receber um defensor do totalitarismo, da homofobia, do revisionismo histórico, da discriminação de mulheres e religiosa (bahais, evangélicos, judeus e outras minorias torturadas, massacradas e mortas no Irã) e da destruição de Israel.
DATA – 03 de maio, domingo
HORA - às 11h00
LOCAL DO ENCONTRO – Praça Marechal Cordeiro de Farias (Praça dos Arcos, na esquina da Avenida Angélica com a Avenida Paulista



Comento
O representante da JJO perguntou se eu poderia noticiar o protesto. Mais do que isso: que este post valha como uma espécie de convocação. Estarei presente — escondidinho, mas estarei.
Convido os leitores do blog a comparecer. Trata-se, de fato, de uma manifestação contra o anti-semitismo, o terrorismo e a tirania disfarçada de democracia. E também de um claro repúdio à política externa brasileira, que tem adulado regimes de força.

Participem, levem a mensagem do blog, tirem fotos e me enviem. Eu as divulgarei aqui.
Este blog, como sabem, evita participar de protestos. Nesse caso, abre uma exceção porque se trata de um ato, entendo, de repúdio à presença, no Brasil, de uma personagem que apóia abertamente o terrorismo e o racismo.

TRATA-SE DE UMA CAUSA CIVILIZATÓRIA E DE UMA ADVERTÊNCIA AO APEDEUTA DA SILVA.
Espero que muita gente se mobilize, especialmente os judeus. Ahmadinejad jamais disfarçou o que pensa sobre a questão israelo-palestina. Para Israel, ele defende uma única "solução": a final.


http://veja.abril.com.br/blogs/reinaldo/2009/04/domingo-e-dia-de-protestar-contra.html

sábado, 25 de abril de 2009

Silêncios de conteúdo

Assuntos sobre os quais silencio:

1) a doença de Dilma Rousseff;

2) o imbróglio entre Gilmar Mendes e Joaquim Barbosa (sobre isso, vá lá, talvez eu até escreva alguma coisa);

3) o escândalo das passagens no Congresso;

4) o escândalo do irmão do Franklin Martins na Petrobrás;

5) os filhos do presidente do Paraguai, o bispo falsificado;

6) o blog do Lula.

Silenciar também é uma forma de dizer alguma coisa, se é que me entendem. E nem sempre é consentimento.

terça-feira, 7 de abril de 2009

"Obra real" do PAC é tucana!

É o que apurou meu amigo Cadu Gomes:

Concebido pelo governo Tasso Jereissati e financiado pelo Banco Mundial, o projeto Eixão das Águas, que garante o suprimento de água à Região Metropolitana de Fortaleza, foi inaugurado pela ministra da Casa Civil, Dilma Roussef, no último dia 19 de março como uma "obra do PAC".

- Quando nós descerrávamos a placa, ao mesmo tempo, tínhamos a realidade atrás de nós. Essa realidade estava no barulho das águas, que caíam e demonstravam que essa é uma obra real, não é ficção. Ela existe e foi feita em parceria do governo do estado com o governo federal. - declarou emocionada a ministra.

Tasso Jereissati é o pai da criança. No Governo Beni Veras, que o sucedeu, a idéia começou a sair do papel, mas acabou parando. Depois, o governador Lúcio Alcântara, que também é tucano, começou a sanear as finanças do Estado, e retomou as obras que recebeu paradas. Construiu e inaugurou o trecho 1. Quando deixou o Governo, deixou 60% das obras dos trechos II e III prontos.

Gastou-se até agora cerca de R$ 1 bilhão - a parte do leão levantada junto ao Banco Mundial. O governo federal entrou com a cara-de-pau e uma mera contrapartida de R$ 179 milhões.

Pois é, se o governo federal se apropria indevidamente de uma obra "real", imagine o que ele não faz com as virtuais…

domingo, 5 de abril de 2009

Serra + Aécio = 10

PSDB eleva pressão para Aécio ceder a Serra

KENNEDY ALENCAR
colunista da Folha Online

Houve uma nítida mudança de tom na disputa entre os governadores de São Paulo, José Serra, e de Minas Gerais, Aécio Neves, pela disputa da candidatura presidencial do PSDB em 2010. Nas últimas semanas, ações discretas de bastidor foram feitas no sentido de tentar realizar um acordo entre Serra e Aécio.
O acerto não está fechado, mas existem sinais de que talvez possa ser concretizado. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso está no centro da articulação.
FHC disse a Aécio que, caso a disputa com Serra resulte num racha que leve à derrota do PSDB em 2010, o governador mineiro também sofreria dano político. O fracasso também seria debitado na conta de Aécio.
O ex-presidente argumentou que incentivar um levante do eleitorado mineiro contra a possibilidade de o PSDB escolher Serra era uma estratégia arriscada de Aécio. Também afirmou que os tucanos não deveriam menosprezar o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a possível candidata do PT, a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff.
Serra autorizou emissários a dizer a Aécio mais ou menos o seguinte. Ambos desejam ser presidente. Ambos precisam um do outro para chegar lá. Aos 68 anos na época da eleição, Serra disse que seria sua última tentativa de conquistar o Palácio do Planalto. Afirmou que, se tiver o apoio de Aécio e vencer, vai se empenhar para acabar com a reeleição. Cumpriria quatro anos e apoiaria o Aécio com força em 2014.
Os relatos sobre a reação do governador mineiro são diferentes. Mas todos têm em comum o seguinte: Aécio reduziu o ímpeto para transformar a disputa numa guerra fratricida. Para alguns tucanos, ele ainda tentará se viabilizar como candidato em 2010. Para outros, ficou sensibilizado com a mensagem de Serra e poderia compor.
*
Chapa puro-sangue
FHC ainda insiste na montagem de uma chapa Serra-Aécio. Avalia que ela obteria a grande maioria dos votos nos dois maiores colégios eleitorais do país.
Emissários de Serra disseram que, se Aécio aceitasse ser vice, teria forte influência no governo. O mineiro não gosta da idéia de ser coadjuvante. Não acredita muito na capacidade de Serra de dividir poder. Mas o recado foi transmitido.


http://www1.folha.uol.com.br/folha/colunas/brasiliaonline/ult2307u545954.shtml


E esta mudança de clima no PSDB já está sendo sentida pela militância.
Creio que o caminho tucano para 2010 já está setado.

Os Equívocos do PT

Excelente artigo de Alberto Goldman publicado hoje na Folha de São Paulo:

A RESOLUÇÃO política do Diretório Nacional do PT de 10/2, que se propõe a analisar a crise econômica internacional, seus desdobramentos no Brasil e sua influência nos debates da sucessão presidencial é um documento que, além de simplista, é revelador.

Nele o PT se recusa a fazer a análise de maneira profunda, preferindo sentenciar: "Estamos diante de uma crise do sistema capitalista como um todo, na forma neoliberal que assumiu nos últimos 30 anos". É isso mesmo?

O mundo experimentou de 2003 a 2007 o mais intenso ciclo de expansão econômica da história, e o Brasil se beneficiou da globalização da economia mundial, com bem menos eficiência, é verdade, que países como China, Índia, Coreia do Sul e Rússia.

É fato, porém, que o sistema capitalista sofre crises cíclicas e que a atual foi precipitada pelos riscos assumidos pelos mercados financeiros e agravada por deficiências na regulamentação das suas atividades exercida pelas agências governamentais de controle.

Agora, acreditar, como faz o PT, que a crise significa um tiro de morte no sistema de produção capitalista é uma aposta que não possui nenhuma aderência à realidade. Mesmo porque inexiste hoje no mundo qualquer alternativa de organização do sistema econômico que não nos moldes da economia de mercado, com graus diferenciados de intervenção estatal -não só necessária como legítima.

Diferentemente do que pensa o PT, a superação da crise, dada sua profundidade e seu alcance, passa por uma reforma profunda das atividades financeiras em escala global e na redefinição de atividades econômicas nos países desenvolvidos, rompendo-se as cadeias de subsídios e ineficiências explicitadas por ela.

Ao PT, que se coloca como arauto de um projeto de "horizonte socialista", exaltado na resolução, cabe a reflexão, ainda que tardia, sobre o desaparecimento no final do século passado dos regimes socialistas e comunistas do Leste Europeu. O que o PT pretende alcançar? Qual é o outro modelo econômico-social de que fala o PT?

É a volta à economia centralizada e seus mirabolantes e ineficazes planos quinquenais, com a presença esmagadora do Estado? É a instituição do regime político de partido único a conduzir todas as atividades político-econômicas? Ou é a simples troca de um projeto de nação por um projeto de poder, conforme denunciou Frei Betto em recente entrevista?

Encontramos na resolução petista a seguinte afirmação: "Os neoliberais que nos antecederam no governo do Brasil, que ainda governam Estados brasileiros e cidades muito importantes, que têm forte presença no Congresso Nacional (...)". Ora, ora, ora, se não são os vícios de uma esquerda de pensamento antidemocrático se manifestando na expressão "ainda".

Como se as conquistas do recente processo de democratização do país -o pluripartidarismo e a convivência de vários partidos no comando de Estados e municípios- fossem uma excrescência, e não a normalidade da vida democrática, e como se ao governo Lula se opusesse apenas uma corrente do pensamento político nacional.

Ora, ninguém minimamente lúcido, no Brasil ou no mundo, deseja uma recessão econômica. Os empresários porque, com ela, perdem muito dinheiro, e os trabalhadores porque perdem o emprego. Logo, a luta contra a recessão não é um privilégio petista. Agora, afirmar que a crise pode apressar a transição para o tal horizonte socialista, conforme afirma a resolução, não passa de delírio.

Se o governo Lula seguiu uma direção correta, foi ter-se mantido na trilha aberta pelo governo FHC de controle da inflação, responsabilidade fiscal, aumento da participação da iniciativa privada nos projetos de infraestrutura e fortalecimento do sistema financeiro nacional.

Mas batizar com novos nomes programas em andamento (o PAC é isso) ou assumir como sua a criação de projetos gestados no passado pode funcionar no campo da propaganda, mas não esconde a verdade: o que o governo Lula tem de melhor foi e é a continuidade -em uma fase de grande desenvolvimento da economia mundial, que se iniciou em 2003 e durou até 2008- de esforços do governo anterior, algo que o governo Lula se recusa a reconhecer. Até quando vão fugir das responsabilidades com as dificuldades por que passa o país?

Eis aqui a minha modesta contribuição ao debate ideológico. Estou convicto de que a sociedade brasileira deve travar esse debate para 2010 e optar entre um projeto de poder de exclusividade de um grupo político ou um projeto de país com foco na justiça social, comprometido com a ampliação dos espaços democráticos e de cidadania.

ALBERTO GOLDMAN, 71, engenheiro civil, é vice-governador do Estado de São Paulo. Foi ministro dos Transportes (governo Itamar Franco) e secretário da Administração do Estado de São Paulo (governo Quércia).

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/fz0504200908.htm

sábado, 4 de abril de 2009

Um raio-x do pensamento de José Serra

Infância e juventude, futebol, formação cultural e política, Aécio e a campanha de 2010, crise econômica e os erros do governo federal, cidades, educação e cultura, MST, ecologia, saúde, a solidão do poder, família e fé na razão e em Deus.

Parte 1 de 7
http://www.youtube.com/watch?v=g02Yz_8rqJo

Parte 2 de 7
http://www.youtube.com/watch?v=SNtdJ3SbA88

Parte 3 de 7
http://www.youtube.com/watch?v=f3xrxBTECJc&NR=1

Parte 4 de 7
http://www.youtube.com/watch?v=yCAlUKcsao0

Parte 5 de 7
http://www.youtube.com/watch?v=Ka2XigBdw8o

Parte 6 de 7
http://www.youtube.com/watch?v=MuM0SmahVZs

Parte 7 de 7
http://www.youtube.com/watch?v=-IyZtK-Z9iI

Entrevista dada a Roberto D'Avila na TV Brasil no dia 29 de março.

Yoani Shanches

Cubana na revolução digital

O malabarismo que uma cubana faz para manter o seu blog no ar. A página de Yoani Sanches tem milhões de acessos e foi incluído pela revista Time entre os 25 melhores blogs deste início de 2009.

Uma cubana é autora de uma façanha. Ela usa a internet, que mal funciona em Cuba, para resistir à opressão do regime. Com muita dificuldade, Yoani Sanchez mantém no ar o blog "Geração Y", um símbolo da liberdade no meio de uma ditadura.

Como fazer um blog independente em um país onde a internet é tiranicamente controlada pelo Estado? E sem conexão em casa? E só trabalhando em lan houses? É mole. É tudo isto que faz, com grande sucesso, a cubana Yoani Sanchez, com o seu "Blog Geração Y", que tem milhões de acessos no mundo inteiro e foi eleito recentemente pela revista Time entre os 25 melhores blogs deste inicio de 2009.

Em Cuba, onde a internet ainda é à querosene, a façanha da Yoani é heróica e patética, porque embora seja visto no mundo inteiro, o blog não pode ser acessado em Cuba, onde só funcionários credenciados e estrangeiros podem se conectar.

Yoani é uma jornalista de 33 anos, que faz parte da geração que tem os nomes em "Y" por influencia da era soviética. E aí já começa a ironia com que ela trata a vida de hoje em Cuba, oferecendo um contraponto à imprensa oficial e se equilibrando nos limites apertadíssimos da liberdade de expressão na ilha. Com humor, ironia e inteligência, ela diz que faz o blog como um "exercício de covardia". O estilo é sutil.

"Imagino quando a prosperidade deixará de ser considerada contrarevolucionária. Quando morar no 14ª andar e estar há um ano sem elevador deixará de ser um capricho burguês". O blog expressa as opiniões de boa parte das novas gerações cubanas, que se cansaram de esperar pelo sonho revolucionário e querem participar do mundo moderno com liberdade e tecnologia.

Basta confrontar o "Geração Y" com a edição digital do jornal oficial Gramna para entender o que está acontecendo em Cuba. É para morrer de rir ou de chorar.

A casa de Yoani é vigiada dia e noite. Ela ganhou o prêmio Ortega y Gasset de mídia digital na Espanha, mas foi proibida de sair do país. Yoanis escreve muito bem, pensa melhor ainda, faz ótimas fotos, e é um exemplo de combatente da liberdade, contra todas as tiranias. "A verdadeira revolução '.com' acontece paralela e contrária ao racionamento que eles querem nos impor no mundo virtual. Sem homens barbudos, sem rifles e muito menos líderes gritando ordens. Ela é lenta e ainda restrita, mas acabará alcançando todos os cubanos. Seus comandantes tem os estranhos nomes de Gmail, Youtube, Skype e Facebook. Eles não criam divisões, unem as pessoas".

http://g1.globo.com/jornaldaglobo/0,,MUL1072820-16021,00-CUBANA+NA+REVOLUCAO+DIGITAL.html

Comics

Aí uma personagem de ficção fala de outra personagem de ficção: "this is my man right here".

E todos riem.

quinta-feira, 2 de abril de 2009

Tampões de ouvido

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva culpa os países ricos por praticamente todos os problemas da humanidade. Às vésperas do encontro do G-20 (grupo formado por grandes economias desenvolvidas e emergentes), que ocorre amanhã em Londres, Lula fez um duro ataque às economias desenvolvidas, alegando que são as responsáveis não apenas pela crise, mas pela degradação ambiental, pelos desequilíbrios no comércio e até mesmo pela insegurança coletiva.

http://www.estadao.com.br/noticias/economia,lula-culpa-ricos-pelos-males-da-humanidade,348193,0.htm


Caaaalma! Isso tem explicação. Acabei de ver no Jornal da Globo Lula descendo do trem acompanhado de Celso Amorim e de Marco Aurélio Garcia. Por certo ficaram a viagem inteira cochichando ao pé do ouvido do presidente, destilando veneno, rancor, recalque e inveja.

Sugiro ao Lula minha mais recente descoberta. Como troco o dia pela noite, cansei de passar manhãs dormindo mal por causa das reformas dos vizinhos. Agora uso tampões de ouvido feitos de espuma. Uma maravilha, viu, Lula?

É que se você não usar estes tampões com seus queridinhos aí, eu vou ter que usá-los aqui para ver o noticiário toda vez que você aparecer…

PS: por favor, não deixem de notar minha extrema bondade, ok?

quarta-feira, 1 de abril de 2009

Vale um post no blog?

Vale.

É que tem coisa que a gente pesca na entrelinha, e tem coisa que é na linha mesmo. Como esta:

"Eu estive na semana passada no Brasil e eu acho que o presidente Lula vai me perdoar por citá-lo. Ele me disse: 'Quando eu era sindicalista, eu culpava o governo. Quando eu era da oposição, eu culpava o governo. Quando eu virei governo, eu culpei a Europa e os Estados Unidos'", disse Brown, arrancando sorrisos de Obama.

http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2009/04/090401_brown_obama_dg.shtml

Bravata e sofisma, 10.
Responsabilidade e respeito pelo cidadão brasileiro, zero.

Ainda "O Preço da Paz"

Estou neste momento escutando a música-tema do filme no site http://www.oprecodapaz.com.br/ (é só acessar o site e deixar as caixas de som on).

É uma música particularmente apropriada para meditar sobre da função da elite na sociedade. Da elite econômica, também, mas principalmente da elite intelectual e moral.

Para onde poderá marchar uma sociedade em que a elite é esmagada, combatida e demonizada? Ou tem seus valores destruídos e está intelectualmente depauperada?