sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Lula defende os terroristas

Gostei foi do plural.

E, italianos, por favor, não me confundam: nunca votei em Lula.


Fonte jornal La Repubblica: http://www.repubblica.it/2009/01/sezioni/cronaca/battisti-brasile/ambasciatore/ambasciatore.html

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

20 de janeiro de 2009

Resolvi abrir um post histórico neste blog histórico para fazer um desabafo histórico.

Passei um dia histórico normal. Levantei da minha cama histórica e vesti uma roupa histórica, sem saber que era histórica, claro, e fui ao mercado historicamente. Fiz até uma comidinha histórica, vejam só! E foi almoçando minha refeição histórica que liguei a TV histórica e, pelo Jornal Nacional Histórico (será que esse é com H maiúsculo?), me dei conta da solene historicidade do meu dia. Tivesse eu me tocado antes, teria pelo menos vestido uma roupa histórica melhorzinha, né?

Pois logo no começo veio o jornalista histórico dizer que "a partir de agora os Estados Unidos têm o que nunca tiveram: um presidente que não é um branco, não é da elite" ( http://jornalnacional.globo.com/Telejornais/JN/0,,MUL964691-10406,00-EDICAO+HISTORICA+DO+JORNAL+NACIONAL+MOSTRA+A+POSSE+DO+PRESIDENTE+DOS+ESTADO.html )

Eu gostaria de perguntar, muito historicamente, ao jornalista histórico: a que "elite" ele está se referindo? Elite intelectual? Elite financeira? Elite política?

Às três Obama pertence. E, da forma como falou historicamente, o jornalista histórico parece tomar como sinônimos "elite" e "branco" (ou haveria um "e" entre "não é um branco" e "não é da elite"). Olhe, senhor jornalista histórico, eu, como afrodescentende, protesto! Protesto historicamente! Será que o senhor não percebe que suas palavras históricas revelam o preconceito histórico que atravessa sua mente (pré-)histórica?

Porque se Obama é elite intelectual, é elite financeira e é – e já era antes de hoje – elite política, só resta concluir que você historicamente não o considera elite apenas por ser… negro!

Que critério é esse que define elite pela cor da pele? Então negros não podem ser elite?

Estou historicamente cansada desta divisão malévola e preconceituosa das sociedades, entre elite e não-elite. Estou mesmo historicamente exausta do uso deturpado da palavra elite e de sua demonização.

Ao senhor jornalista histórico, dedico um post histórico deste blog: http://brasileirainsone.blogspot.com/2008/08/minoria-por-minoria.html

Agora, se me dão licença histórica, esta história termina aqui. Vou lavar a louça histórica que está na pia e depois pagar umas contas históricas e fazer algumas ligações igualmente históricas para minha histórica família.

segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

Alckmin secretário de Serra

Alckmin deve ser novo secretário de Desenvolvimento de Serra

Serra e Alckmin estavam afastados desde as eleições municipais em São Paulo, quando Kassab foi reeleito

SÃO PAULO - O governador de São Paulo, José Serra, deve anunciar ainda nesta segunda-feira, 19, o nome de Geraldo Alckmin para a secretaria de Desenvolvimento. Atualmente, o cargo é ocupado por Alberto Goldman, que também é vice-governador do Estado.

"Essa é uma demonstração da união do PSDB, da liderança do governador Serra e do espírito partidário e de cooperação de Alckmin", destacou o presidente do PSDB paulista, deputado federal Mendes Thame, que está no Palácio dos Bandeirantes para o anúncio oficial. Na opinião de Mendes Thame, é preciso destacar também "o desprendimento de Alckmin", que foi governador do Estado e agora pretende colaborar com o governo Serra para o desenvolvimento do Estado. "Isso mostra que o PSDB vai caminhar junto, todos saem ganhando", emendou o presidente estadual do PSDB.

A Secretaria de Desenvolvimento (SD) é considerada uma área estratégica no governo estadual, sobretudo neste momento de crise financeira global, pois é o órgão responsável pela formulação de medidas que propiciem o desenvolvimento econômico de São Paulo. Uma de suas principais funções é diagnosticar e atuar para melhorar a competitividade dos diversos setores da indústria já instalados no Estado.

Além disso, a secretaria cuida da atualização do quadro regulatório existente e da criação de novos instrumentos de fomento necessários à efetiva promoção do desenvolvimento econômico de São Paulo. A secretaria é responsável também pelo Centro Paula Souza, que administra 151 Escolas Técnicas (Etecs) e 47 Faculdades de Tecnologia (Fatecs) em 127 cidades do Estado de São Paulo. As Etecs atendem 123 mil estudantes, sendo cerca de 30 mil no Ensino Médio e mais de 90 mil no Ensino Técnico, para os setores Industrial, Agropecuário e de Serviços, em 86 habilitações. Nas Fatecs, o número de alunos matriculados nos 39 cursos superiores ultrapassa 28 mil (números referentes ao 2º semestre de 2008.

Serra e Alckmin estavam afastados desde as eleições municipais em São Paulo, no ano passado. O prefeito reeleito Gilberto Kassab e Alckmin dividiram o PSDB no primeiro turno. Enquanto uma parte da legenda ficou com o seu candidato oficial, outra parte, comandada pelo governador José Serra, esteve ao lado do prefeito. Kassab sucedeu Serra na prefeitura e manteve vários tucanos em secretaria municipais.


Carlos Marchi, de O Estado de S.Paulo e Elizabeth Lopes, da Agência Estado
(Com Reuters)

http://www.estadao.com.br/nacional/not_nac309560,0.htm

___________________


Tomara que isso seja um sinal de entendimento verdadeiro entre os dois. O que até há pouco estávamos acompanhando acontecer nas hostes militantes de um e de outro não era o sinal de um bom futuro para o partido. Vamos ver, agora, as reações, se a postura dos líderes chega em cadeia aos militantes alckmistas.

A jogada de mestre de Serra foi, ao se confirmar a candidatura de Alckmin para o governo do estado em 2010, ter colocado em oposição os interesses do novo secretário e de Aécio, ambos disputando o espaço para ser a segunda maior força dentro do partido. O que, é claro, coloca Serra como candidato a presidente e pode facilitar para que o governador mineiro aceite o cargo de vice para 2010.

Ficando assim aclaradas as posições das peças no tabuleiro, faço aqui um convite a todos aqueles que sofrem com a política brasileira e estão, como eu, contando os dias para o 1º de janeiro de 2011: vamos cada um colaborar com seu trabalho voluntário para, em nome da nossa responsabilidade pelo país que legaremos aos nossos descendentes, fazer de Serra presidente em 2010?

Sim, o convite é quase uma convocação. Creio que nossas Instituições não suportarão mais um mandato petista.

domingo, 11 de janeiro de 2009

Para arquivo

Nunca vi gente de credibilidade falar deste cara. Mas não dá para deixar de arquivar isto:

http://www.youtube.com/view_play_list?p=66245842658CE1AF

Há aí um quê de profético, dado que o vídeo é de 1983.

Quem não viu, veja. E tire suas próprias conclusões.



PS incluído em 12/01/2009, às 18:30 h:
Soube ontem que o Olavo de Carvalho falou deste vídeo em um de seus últimos programas de rádio.
Ainda assim, o vídeo merecia muito mais repercussão, pois explica exatamente quase todos os aspectos que ora se concretizam em nossa sociedade, desde o pobrismo, a febre igualitária, o politicamente correto, até o suposto messianismo de Lula e de Obama.

Ano novo, paciência velha

A TV está impossível. No horário do noticiário, é só crítica a Israel e prolegômenos dos campeonatos de futebol deste ano – e não me recordo de ter sido assim nos anos anteriores. Nos intervalos, entre uma propaganda do governo federal e outra, inserções do BBB, das superpromoções de início de ano e agora também do insuportável Carnaval.

Será que comecei 2009 mais impaciente que o normal?