sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Arena

O portal UOL está promovendo o seguinte debate:

Comunidades, vídeos e fotos de candidatos na Internet influenciam seu voto?

A propaganda eleitoral na Internet só pode ser feita na página do candidato, mas, enquanto o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) não regulamenta, caso a caso, o uso da rede, vídeos, fotos e comunidades em sites de relacionamento se espalham pela Web pregando candidaturas dos que concorrem a um cargo público nas eleições municipais deste ano. A propaganda aparece sob diversas formas. Os próprios candidatos lançam vídeos em sites como o YouTube, como fez Adahil Barreto (PR), em Fortaleza. O candidato à Prefeitura do Rio de Janeiro, Chico Alencar (PSOL), aproveita o espaço do Flickr para divulgar as fotos de sua campanha nas ruas. Fernando Gabeira (PV) utiliza o YouTube para publicar a propaganda eleitoral veiculada na televisão.Comunidades, vídeos e fotos de candidatos na Internet influenciam seu voto? Conte-nos.

Poste lá sua opinião:
http://forum.eleicoes2008.blog.uol.com.br/arch2008-09-21_2008-09-27.html#2008_09-25_09_06_28-8953204-0

Eu já postei as minhas:

Acompanho a política na internet há três ou quatro anos. Acredito sinceramente que esta forma de atuação política tende cada vez mais a crescer, sobretudo se analisarmos o que acontece agora na eleição americana, em que os debates na internet ficaram acaloradíssimos.
Vi inúmeros casos de pessoas que amadureceram suas opiniões políticas através da internet, não por influência direta de uma ou outra pessoa, mas pelo simples fato de participarem ou assistirem a debates verdadeiros, e não a panfletagens eletrônicas como as que vemos nos debates promovidos por redes de TV e rádio.
É um absurdo esta resolução do TSE que impede a campanha política na internet. Na prática, ficou proibido tornar público voluntariamente o próprio o voto, seja em seu nome, avatar ou álbum de fotos de um site de relacionamentos, bem como ter comunidades de apoio a algum candidato. Depois de nos livrarmos de anos de ditadura militar, agora nos deparamos com este retrocesso. Isto é um acinte à democracia.

Acho que estão fazendo uma confusão. Fazer spam é condenável, seja qual for: para vender produtos, serviços ou pedir o voto das pessoas. Sou absolutamente contra isso.
BEM DIFERENTEMENTE, debater política e demonstrar seu voto participando de comunidades em sites de relacionamento ou "adesivando" SUA PRÓPRIA foto, NÃO é fazer spam. É coisa bem diferente. Equivale a usar um botton do seu candidato na sua roupa, a adesivar seu carro, a debater política com seus amigos naquele bar que você freqüenta sempre. E isso, na internet, está sendo proibido.
Ninguém é OBRIGADO a entrar numa comunidade, a ver um vídeo ou a ler um texto que não queira. A internet (e-mails e sites de relacionamento) já tem estrutura para evitar o spam. Então não há porque proibir a política aqui.
As pessoas estão condenando o futuro do país ao criminalizarem a política da forma como estão fazendo. Aliás, os políticos só são tão ruins porque as pessoas querem que a política seja banida de todos os lugares.

Um comentário:

Fred Martins disse...

É como um dito taoísta já dizia: Um povo instruído é mais difícil de governar. Os debates, sejam na internet sejam em qualquer lugar, politizam as pessoas, confrontam verdeiramente projetos e opiniões e fazem surgir um cidadão participativo. Além disso acaba chamando outras pessoas para o debate, pessoas que acreditavam que discutir política é tabu, ou chatice. É, dá pra entender o porque o TSE está preocupado.