terça-feira, 29 de julho de 2008

Nova Veja

A Veja com a nova diagramação chegou na minha casa ontem. Fui correndo conferir a nova carinha.

A primeira impessão é a estranheza: desde que me conheço por gente, as páginas amarelas eram "daquele jeitinho". De repente, apesar do mesmo amarelo (um pouquinho mais claro, para falar a verdade), está tudo em lugar diferente. É estranho mesmo. Mas a gente se acostuma com o tempo.

O que me motivou, entretanto, a escrever este post são outras observações que me deixaram muito satisfeita. A primeira coisa é o índice, que agora divide espaço meio a meio com a edição da revista na internet. Veja (de papel) e Veja.com foram colocadas no mesmo nível. Isso significa que os conteúdos on-line (além da revista on-line) deixaram de ser apresentados como apêndices da versão impressa, e passaram a ser considerados tanto quanto, no mesmo nível da própria Veja de papel.

Aí veio a surpresa na página 51: uma página para a blogosfera! Que maravilha! Finalmente veículos estabelecidos estão oficialmente absorvendo este canal de comunicação, que nasceu como um utilitário de adolescentes. Quer dizer, além do índice compartilhado entre real e virtual, uma outra página, em separado, oferecendo nada mais nada menos que seis links de blogs que estão (e já estavam antes) hospedados no site da revista.

Mas o mais gostoso veio na página 145. É uma propaganda. A priori, nada a ver com a Veja, se não fosse o fato de que a propaganda é de um evento realizado pela Revista Info e pela própria Editora Abril. A propaganda é sobre o Seminário "Redes Sociais – A nova mídia e o consumidor", que ocorrerá no dia 18 de agosto em São Paulo. Subtítulo da propaganda: "Veja como usar o Orkut, Youtube e cia. a favor dos seus negócios". Uau! Até o Reinaldo Azevedo estará participando.

O paralelo é o seguinte: uma nação pode se declarar independente, mas isso não faz a menor diferença se o resto do mundo não reconhecer esta independência. A internet, as redes sociais, os blogs, os comunicadores instantâneos, tudo isso MUDOU a forma das pessoas se relacionarem e das informações circularem – e serem absorvidas. Faltava o mundo real reconhecer isso. Veja dá um passo nesta direção com o que vi na última edição. Coincidentemente, o Fantástico, que quando falava em Orkut era sempre em sentido criminalizante e depreciativo, neste domingo utilizou-se dele para dar exemplos de como as mães vêem e relacionam-se com suas filhas.

Para quem há muito vem martelando na questão da relação da internet, especialmente de instrumentos pouco considerados, como o Orkut e os blogs, com os meios de comunicação, esta Veja foi um manjar dos deuses. Só para citar, um pedacinho de um texto meu de 2006:

A internet e sua interatividade alterou completamente a relação dos meios de comunicação com os cidadãos.A internet é mais veloz, mais plural e mais dinâmica. É um poder construído coletivamente, e não um poder que é monopolizado porque emana de um centro.
Não adianta ter um portal. Isso não é ESTAR na internet. Estar na internet é INTERAGIR com o mundo que circula nela. É RESPEITAR a existência da pluralidade, da diversidade, de outros pontos de vista. É RECONHECER que fatos menos interessantes, num primeiro momento, podem se tornar temas centrais de debate na sociedade se estiverem circulando na internet.

Ah, por último – e para voltar ao assunto do post: adorei a nova letra da Veja. Ela é um pouco condensada para compensar o fato de ser maior, fazendo com que o mesmo tanto de texto continue cabendo no mesmo espaço de antes. Mas este tantinho a mais no tamanho que colocaram no corpo da letra deu um plus enorme para quem lê a revista fazendo esteira na academia, como eu.

Um comentário:

cathy disse...

Amada, abri uma nova categorial no meu blog que vc está estreando, rsrsrsr...vai lá...bjs