sábado, 29 de março de 2008

Mais uma de quarta-feira

Também na quarta-feira, o Jornal Nacional exibiu a terceira reportagem da série sobre sobre projetos bem-sucedidos na educação com o uso da criatividade.

No vídeo (aqui: http://video.globo.com/Videos/Player/Noticias/0,,GIM808087-7823-EDUCACAO+NO+BRASIL+CRIATIVIDADE+ESTIMULANDO+O+APRENDIZADO,00.html ), aos 3 minutos e 57 segundos, Fátima Bernardes faz uma errata:

"Na primeira delas [da série de reportagens], na segunda-feira, o Jornal Nacional se referiu a Brazlândia como uma região pobre e violenta do Distrito Federal. Nós erramos. Na verdade, os índices de violência em Brazlândia não justificam essa qualificação."

Mais uma prova de que:
1) Pobreza não é causa da violência;
2) Bandido não é vítima social;
3) O jornalismo brasileiro, esquerdista em sua maioria, é na verdade PRECONCEITUOSO com os pobres em geral, apregoando a eles por antecipação a propriedade de "violentos", só porque são pobres.

Carteriada

Na CPI dos Cartões nesta quarta-feira, a senadora Ideli Salvati argumentou o seguinte para negar-se a convocar a ministra Dilma Rousseff a dar depoimento:

“Sou terminantemente contra a convocação da ministra Dilma Rousseff pelo que ela representa hoje e talvez pelo que ela poderá representar em 2010"

Porque Dilma é hoje ministra e porque poderá em 2010 ser candidata a presidente, ela não pode prestar depoimento. Veja bem como é o raciocínio: ela é importante demais para descer ao nível dos mortais escrutináveis pela opinião pública.

Isso é que é carteirada, heim?

Sindicalismo, política e corrupção

O sociólogo alemão Robert Michels descreveu uma fórmula que explica o Brasil atual:


SINDICALISMO + POLÍTICA = CORRUPÇÃO

Dá para entender perfeitamente o que se passa nos bastidores de Brasília ao conhecer bem de perto os métodos do sindicalismo. Eis um exemplo recente:

"A polícia flagrou hoje um grupo de sindicalistas que, em troca de propina, vendia os interesses da própria categoria de trabalhadores que dizem representar"
http://jg.globo.com/JGlobo/0,19125,VTJ0-2742-20080326-318792,00.html

"Trechos de gravações feitas pela Justiça evidenciam que também o presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Transporte Público de Campinas sabia da tentativa de extorsão praticada por diretores do sindicato contra empresas do setor de saúde."
http://jg.globo.com/JGlobo/0,19125,VTJ0-2742-20080327-318888,00.html

“As investigações continuam porque os indícios apontam de forma clara que se trata de um esquema criminoso muito mais intrincado. Tem outras pessoas por trás e um potencial lesivo muito mais alto do que se imaginava no começo”
http://jg.globo.com/JGlobo/0,19125,VTJ0-2742-20080328-318960,00.html


Mais:
"A mamata dos sindicalistas - A resistência ao fim do imposto cobrado de todos os trabalhadores mostra o real interesse dos sindicatos: manter seus privilégios"
http://veja.abril.com.br/211107/p_068.shtml
IMPORTANTE VER ESTES QUADROS:
Quadro: É assim que eles mamam
Quadro: Repasse sob disfarce
Quadro: Os marajás da república sindical
Quadro: Com dinheiro e sem controle

"A mamata continua - O Senado se rende ao lobby da República Sindical e mantém o imposto obrigatório"
http://veja.abril.com.br/051207/p_092.shtml

Daí entendemos tudo: os sindicalistas estão acostumados a ter dinheiro fácil e garantido e a não prestar contas a ninguém. Não seria difícil prever o que aconteceria quando este sindicalismo estivesse dentro da máquina estatal, não é?


______________________

Adição feita no dia 03/04/2008

Comentário pertinente ao assunto do professor Roberto Romano para a CBN:

http://cbn.globoradio.globo.com/cbn/wma/wma_e.asp?audio=2008%2Fnoticias%2Fromano%5F080402%2Ewma&OAS%5Fsitepage=sgr%2Fsgr%2Fradioclick%2Fradiosam%2Fcbn%2Fpolitica11

Um presidente que já perdeu a casinha

Sobre as sandices recentes proferidas por aquele que se diz presidente (?!) do Brasil (?!), o melhor comentário veio ontem do Merval Pereira:

http://cbn.globoradio.globo.com/cbn/wma/wma_e.asp?audio=2008%2Fcolunas%2Fmerval%5F080327%2Ewma&OAS%5Fsitepage=sgr%2Fsgr%2Fradioclick%2Fradiosam%2Fcbn%2Fmervalpereira1

(é só clicar que o comentário já começa)

Só discordo quando o Merval diz que Lula faz uma política social eficaz: não faz. Hoje 25% da população brasileira vive com a renda do Bolsa Família. Isso faz mal para o país e bem apenas ao PT e seu projeto de poder.

Política social eficaz é o que fazia o governo FHC. Lula, ao contrário, desconstrói as coisas certas que haviam sido feitas. Basta entender isso aqui: http://jornalnacional.globo.com/Jornalismo/JN/0,,AA1676906-3586-809082,00.html

Destacando algumas partes:

Neusa Maria Marques de Oliveira tem seis filhos e diz que o marido está desempregado há três anos. Ela conta que os R$ 65 que recebe do programa, há muito tempo deixaram de ser apenas uma ajuda emergencial: "agora nós precisamos, depende do Bolsa Família. Compra alimento, às vezes, precisa de um lápis, um caderno, para um filho, para outro, a gente vai lá e compra".
(…)
O Bolsa Família é, de longe, o programa com maior número de domicílios atendidos. Para manter o benefício, uma das exigências é a freqüência das crianças na escola. Dados de outras pesquisas do IBGE mostram que, do ano de 1992 até 2002, antes da criação do Bolsa Família, houve um forte avanço no número de matrículas na faixa dos 7 aos 14 anos de idade.
De 2003, quando o programa foi lançado, até 2006, o crescimento continua, mas em um ritmo menor, com percentuais na faixa dos 97%. Pelo levantamento feito agora, o índice de freqüência na sala de aula de crianças que não fazem parte do programa é um pouco maior do que daquelas que são beneficiadas.
Já a taxa de analfabetismo das pessoas de dez anos ou mais que moram em residências atendidas por programas sociais caiu pouco. “Hoje em dia, cada vez mais, fica muito claro que esses programas só se justificam como programa de transferência de renda. Eles não têm nenhum impacto significativo como programa na área de educação”, afirma Simon Schwartzman, do Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade.
(…)
Eles [os beneficiados] estão comprando mais eletrodomésticos. O índice de residências com máquina de lavar roupa subiu de 7,6% para 10,2%. Geladeira: aumento de 72% para quase 77%. E televisão: passou de 82,5% para quase 88%.
O número de casas com telefone também cresceu. “O problema disso é que a transferência de renda para os pobres voltada para o consumo não produz resultados sociais de longo prazo. O aumento do consumo conjuntural é importante porque tem efeitos econômicos, mas não retira pessoas da pobreza em longo prazo“, explica o sociólogo Demétrio Magnoli.


No governo Lula não se salva nada, absolutamente nada. E pensar que ele poderia usar essa popularidade para pressionar o Congresso a fazer as reformas (e é só assim que as reformas saem), para deixar algum legado positivo. Mas quê! Lula usa essa popularidade e capacidade que tem de se comunicar com a população, que ele tão bem representa, diga-se, apenas para a manutenção de seu grupo no poder, para solapar a democracia, para alimentar a própria vaidade criando um mito e uma caricatura bizarra de si mesmo.

Por mais que eu reprove a corrupção do governo Collor e a incompetência do governo Sarney, creio que nada tão vil esteve na presidência da república. Porque além de ser mais corrupto que o governo Collor e mais incompetente que o governo Sarney, este também é um governo demolidor da democracia e do estado de direito.

Ninguém merece

O (des)governo Lula conseguiu até o milagre de despertar nos brasileiros conscientes uma inveja do povo argentino: http://www.estadao.com.br/internacional/not_int146650,0.htm

E no Brasil, o que acontece? Lula tem uma aprovação recorde, de 60 e não sei quantos por cento.

Brasileiro é mesmo muito panaca! Brasileiro é mesmo muito imediatista! Brasileiro é mesmo muito materialista!

Nosso povo mede os governos apenas com as réguas do bolso e do tempo. Pouco importa se moralmente os exemplos que vêm de cima implodem o país. Pouco importa se as instituições desmoronam a olhos vistos, minando os sustentáculos da democracia. Importa é que a economia vá bem e que se possa trocar de geladeira.

A conta simplista que é feita é a seguinte: o Brasil passou um período difícil e o presidente era FHC. Agora que há bonança, Lula é presidente. Conclusão a que chegam os bucéfalos: FHC foi mau presidente e Lula é um bom presidente.

Será que não dá pelo menos para se perguntarem O QUE É QUE fazia o país andar tão mal antes e "tão bem" (isso é muito relativo: bem em relação ao nosso passado, mas não em relação ao resto do mundo) agora?

Será que não dá para avaliar as coisas sem paixão? Será que não dá para entender que Lula não fez ABSOLUTAMENTE NADA além de ter jogado fora tudo aquilo que pregava e seguido com ainda mais rigor a mesma cartilha contra a qual ele vociferava? Será que é tão difícil de ver que os maus tempos que passamos foram justamente o acerto de contas e os ajustes fiscais necessários para domar a inflação, justamente o que faz o Brasil hoje estar tão melhor do que já esteve?

Há poucas coisas que eu tolero menos do que raciocínio raso.

domingo, 2 de março de 2008

Para a posteridade

Olhem, eu tava quietinha aqui no meu cantinho. Não postava neste blog desde o final de janeiro. Em geral, fico satisfeita quando vejo que outros blogueiros (principalmente Reinaldo Azevedo) já disseram por mim aquilo que estava engasgado na minha garganta. Acontece que o Lula fala tanta patacoada, mas TANTA, que nem mesmo o que os outros disseram consegue ser suficiente para me deixar tranqüila, aliviada. Nem mesmo o que disse a Lúcia Hippolito aqui: http://cbn.globoradio.globo.com/cbn/wma/wma_e.asp?audio=2008%2Fcolunas%2Flucia2%5F080229%2Ewma&OAS%5Fsitepage=sgr%2Fsgr%2Fradioclick%2Fradiosam%2Fcbn%2Fpolitica1 E olhem que ela foi das poucas que falou a mesma coisa que eu: "então vamos acabar com as MP's!".

A última crise de verborragia de Lula, quinta-feira em Sergipe, foi de tal sorte absurda (como "nuncantesnestepaíz") que o que ele disse precisa ser emoldurado e colocado em quadro, para a posteridade. É tão, mas tão absurdo que daqui a uns 50 ou 60 anos, quando os pingos já estiverem em cima dos seus "is", ninguém vai acreditar que tivemos um presidente como este. Então é bom documentar (se alguém tiver um link do youbute, agradeço):

"Seria tão bom se o poder Judiciário metesse o nariz apenas nas coisas deles, o Legislativo [metesse o nariz] apenas nas coisas deles, e o Executivo [metesse o nariz] apenas nas coisas deles. Nós iríamos criar a harmonia estabelecida na Constituição, para que a democracia brasileira seja efetivamente garantida."

"[Interlocutor], você tem a obrigação de fazer um discurso na tribuna da câmara, perguntando a quem falou essa sandice: Se ele [ministro Marco Aurélio de Mello] quer ser um ministro da Suprema Corte ou político? Se ele quer ser político, renuncie lá e e se candidate a um cargo para falar as bobagens que quiser, a hora que quiser, mas não ficar se metendo na política do poder executivo."

"Se cada um ficar no seu galho o Brasil tem chance de ir em frente. Mas se cada um der palpite na vida do outro, a gente pode conturbar a tranqüilidade da sociedade brasileira."

Do Portal G1:
O presidente chegou a convocar deputados e senadores nordestinos para rebaterem, da tribuna do Congresso, "as sandices" que, segundo ele, estão sendo ditas contra o programa Territórios da Cidadania, lançado no início da semana, e que prevê investimentos públicos em áreas pobres do país.

Para finalizar:
http://g1.globo.com/Noticias/Politica/0,,MUL332002-5601,00.html

Arquivado seja.