quinta-feira, 13 de setembro de 2007

Por que eu estou tão decepcionada

Porque sou mesmo uma idiota.

Porque eu achava que a principal pressão que haveria na votação pela cassação ou não de Renan Calheiros seria individualmente a dele sobre os senadores.
Por isso, e pelo voto ser secreto, achei que as chances de cassação eram maiores.
Achei que a pressão do governo pela absolvição não seria muito grande, visto que este resultado acabaria contribuindo, como já está, para o aumento da insatisfação da população e no conseqüente aumento das vaias. Achei que, como Renan vai continuar arrastando a crise para o Senado, impedindo as votações de que o governo precisa, o voto secreto poderia ser uma chance do governo se livrar dessa "pedra no meio do caminho", em que Calheiros se transformou.
Achei que as ambições dos que pretenderiam substituí-lo no Senado seriam maiores que os vínculos de amizade. Sendo o voto secreto, cada um vota pensando em si próprio, e não no Brasil, nem no Senado, nem em Calheiros.

Mas não. As ambições pessoais e o alívio que o governo poderia sentir ao livrar-se de Calheiros foram muito menores que alguma outra coisa. Mas que coisa seria esta? Certamente, alguma chantagem. Alguma chantagem grande e forte demais, alguma coisa pesada, poderosa, que fez com que o governo preferisse um mal menor, mesmo que ele seja o aumento da instatisfação, dos protestos, das vaias.

A conclusão é que há algo de muito grande que Renan Calheiros está acobertando, e que mete muito medo no governo, dando tanto poder ao "pai da filha da gestante".

Novamente, quem me decepciona é o PT, é Lula, que propositadamente foi se refugiar na Finlândia, fazendo de conta que não era com ele, que não sabia de nada, se fazendo de desentendido.
Não, eu nunca esperei muita coisa dessa turma. Nunca votei nela, tampouco.
Entrentanto, por mais que eu não esperasse nada, ainda consigo me decepcionar.

Sou uma idiota porque, por mais mal que eu pense do PT, do governo e de Lula, eu ainda sou ingênua: eles são bem piores do que eu faço idéia.

Nenhum comentário: