quinta-feira, 19 de julho de 2007

Insone até em sonhos

Tive uma péssima noite, ou, no caso, manhã. Acordei muitas vezes e voltei a dormir continuando com o mesmo sonho, ou, na verdade, o mesmo pesadelo.

No sonho, eu morava num lugar afastado, numa pequena comunidade inicialmente formada por conhecidos e pessoas de bem. Lentamente, eu e meu marido fomos descobrindo que estas pessoas não eram tão bem intencionadas assim. O ambiente, como comumente são os ambientes difusos e ilógicos dos sonhos, lentamente foi se transformando em hostil e ameaçador, principalmente porque as pessoas foram se tornando desonestas e todos desconfiavam de todos.

Eu insistia muito com meu marido para que fôssemos embora do local. Ele dizia não ser necessário. Numa dada altura, o grupo com quem convivíamos envenenou meu marido, que não morreu, mas ficou muito mal. Eu ficava cuidando dele, para que melhorasse. Mas o pior de tudo veio depois: eu não podia dormir em momento algum, porque se o fizesse, as pessoas ameaçadoras que estavam lá jogariam gasolina e ateariam fogo em nossos corpos. E então, até neste pesadelo, eu tinha a nítida consciência de que não poderia, nunca, descansar ou fechar os olhos, porque estavam todos prontos a nos "predar".

Depois de muito tempo nesta situação insuportável, meu marido melhorou um pouco e se convenceu de que tínhamos que fugir de lá. Mas era tarde. As outras comunidades vizinhas já tinham se esvaziado e, se quiséssemos sair, não teríamos civilização ao redor para comer, beber ou dormir: seriam necessários dias e dias de caminhada, sem água, comida ou pouso, até que encontrássemos novamente alguma cidade, civilização, pessoas, estrutura.

Nossa saída ficou inviável, estávamos condenados e ficar naquele lugar terrível, com aquelas pessoas bizarras em quem não podíamos confiar.

E assim permaneci absolutamente insone, sem previsão de algum dia poder dormir novamente.

Nenhum comentário: