segunda-feira, 30 de julho de 2007

Mas o que é que há?

No portal G1, a versão é esta:

"Manifestantes que participaram da passeata contra o caos áereo em São Paulo na manhã deste domingo (29) emitiram vaias ao governo federal e entoaram gritos de "Fora Lula", "Fora Marta" e "Respeito". Críticas contundentes também partiram do cantor e compositor Seu Jorge.
(…)
Seu Jorge disse ao G1 que votou em Luiz Inácio Lula da Silva em 2002, mas estava fora do país quando o presidente conquistou a reeleição. "Me sinto envergonhado. A gente dá uma desiludida acreditando em propostas e projetos", afirmou. Ao ouvir gritos de "Fora Lula" e "Relaxa e saia" partindo da multidão, Seu Jorge não engrossou ou coro, mas disse apoiar esse sentimento. "É o povo quem está dizendo. Precisamos tirar essa gente do ar", comentou sem especificar nomes."
http://g1.globo.com/Noticias/SaoPaulo/0,,MUL79534-5605,00.html

Por que é que no Fantástico a versão não é a mesma? Por que é que no programa televisivo a única destas palavras que apareceu em cartazes foi "RESPEITO" e as quatro mil pessoas estavam lá só homenageando os mortos no acidente? Por que é que inclusive a notícia sobre essa manifestação não está na página da edição de hoje do site do Fantástico?

E por que isso
http://esportes.terra.com.br/panamericano2007/interna/0,,OI1794458-EI8332,00.html
(Mesmo ausente, Lula volta a ser vaiado no Pan)
ou isso
http://pan.uol.com.br/pan/2007/ultnot/2007/07/29/ult4343u1240.jhtm
(Festa repete vaias e coreografias, mas introduz mariachis e funk)
não apareceu no Fantástico?

O que é que há Globo?

E eu ainda tenho que escutar no Canal Livre agora pouco o Marco Aurélio Top Top Garcia falar mal da imprensa, dizendo que seu partido é perseguido, que é injustiçado! O pior é que na seqüência ele praticamente se contradiz ao contar que, logo em seguida que foi ao ar a reportagem do Jornal Nacional de quarta-feira passada (que falava pela primeira vez sobre o problema na turbina), Marco Aurélio recebeu uma ligação de uma jornalista da emissora dizendo que o clima lá era de quase uma "comemoração". Será que tão logo a reportagem foi ao ar tantos na emissora já sabiam da gravação do comportamento impudico de MAG diante da possibilidade de livrar a cara de seu governo? Assim, tão rápido, como se fosse a combinação de uma armadilha da qual muitos sabiam? Se haviam tantos em estado de "comemoração" sabendo dessa armadilha, como pode que isso tenha sido mantido em segredo?

Ou será que a comemoração era outra?

Mas o que é que há?
O que é que há?!

quinta-feira, 26 de julho de 2007

Lula decide abrir capital da Infraero

Mas mas mas... isso é neoliberalismo! Sem tirar nem pôr.
Engraçado que até agora não vi nenhum jornalista dar nome aos bois. Seria um serviço que o jornalismo faria ao Brasil se dissesse que o que o Lula está fazendo é neoliberalismo, para ver se as pessoas aprendem o que é o termo afinal e entendem que isso não é bom nem ruim, mas necessário... Chega daquele osbcurantismo propagado pelas esquerdas de que neoliberalismo é bicho-papão. E tava na hora de mostrar que o PT também é neoliberal. A diferença com o PSDB é que o PT faz questão de antes ser incompetente, para só depois do caos aprender que sem dinheiro da iniciativa privada o estado não tem fôlego para investir, apesar da alta carga tributária. Aliás, a imprensa poderia aproveitar e explicar quais são os problemas que fazem com que essa carga tributária não se transforme em investimento, ou seja: estado grande e lento, inchado de apadrinhados políticos corruptos e incompetentes. E nisso o PT é campeão.
O pior é que tendo esperado chegar a este estado de caos para abrir o capital da Infraero, o PT conseguirá valores muito baixos para as ações. Ou seja, eles vão vender, verdadeiramente, "a preço de banana".
Como diz o Olavo de Carvalho: eles acusam os outros daquilo que eles são!
Ah, mas não eram eles que sempre disseram que o PSDB vendeu tudo "a preço de banana"?! É justamente o contrário: porque o governo FHC se adiantou, tanto a Vale quanto o sistema Telebrás conseguiram ser vendidas por valores recordes em seus setores... E por que o governo FHC se adiantou? Porque conseguiu congregar técnicos e especialistas nas áreas, que fizeram projeções de longo prazo, demonstrando a iminência da falência tanto de uma quanto de outra. E, é claro, porque FHC leu os relatórios e as projeções que os técnicos fizeram. Coisas que o governo pestista, com o presidente que tem, não faz, pois não tem e não sabe onde buscar técnicos e pessoal capacitado (aí tem que ficar implorando para que ex-ministros de FHC aceitem cargos...). Bom, este governo sequer tem alguém para ler os relatórios precários dos politiqueiros que o compõe, já que o presidente acha muito chato ler...

segunda-feira, 23 de julho de 2007

Carta de uma Mãe

Aos governantes e à família brasileira,

Perdi o meu único filho.

Ninguém, a não ser outra mãe que tenha passado por semelhante tragédia, pode ter experimentado dor maior.

Mesmo sem ter sido dada qualquer publicidade à missa que ontem oferecemos à alma de meu filho, Luís Fernando Soares Zacchini, mais de cem pessoas compareceram. Em todos os olhos havia lágrimas. Lágrimas sinceras de dor, de saudade, de empatia. Meus olhos refletiam todos os prantos derramados por ele, por mim, por seu filhinho, por sua esposa, por todos parentes e amigos. Por todos os sacrificados na catástrofe do Aeroporto de Congonhas.

Há muito eu sabia que desastres aéreos iriam acontecer. Sabia que os vôos neste país não oferecem segurança no céu e na terra. Que no Brasil a voracidade de vender bilhetes aéreos superou o respeito à vida humana. A culpa é lançada sobre um número insuficiente de mal remunerados operadores aéreos ou sobre as condições das turbinas dos aviões. Um Governo alheio a vaias é responsável pelo desmonte de uma das mais respeitáveis e confiáveis empresas aéreas do mundo, a VARIG, em benefício da TAM, desde então, a principal provedora de bilhetes pagos pelo Governo. Que a opinião pública é desviada para supostos erros de bodes expiatórios, permitindo aos ambíguos incompetentes que nos governam continuarem sua ação impune. Que nossos aeroportos não têm condições de atender à crescente demanda de vôos cujo preço é o mais caro do mundo. Quando os usuário aguardam uma explicação, à falta de respeito ao cidadão juntam-se o escárnio e a cruel vulgaridade de uma ministra recomendando aos viajantes prejudicados que relaxem e gozem. Assuntos de alcova não condizentes com a reta postura moral e respeito exigidos no exercício de cargos públicos. Assessores do presidente deste país eximem-se da responsabilidade e do compromisso com a segurança de nosso povo exibindo gestos pornográficos. Gestos mais apropriados a bordéis do que a gabinetes presidenciais. Ao invés de se arrependerem de uma conduta chula, incompatível com a dignidade de um povo doce e amável como o brasileiro, ainda alardeiam indignação, único sentimento ao alcance dos indignos. Aqueles que deveriam comandar a responsabilidade pelo tráfego aéreo no Brasil nada fazem exceto conchavos. Aceitam as vantagens de um cargo sem sequer diferenciarem caixa preta de sucata. Tanto que oneraram e humilharam o país ao levar o material errado para ser examinado em Washington. Essas são as mesmas autoridades agraciadas com louvor e condecorações do Governo em nome do povo brasileiro, enquanto toda a nação, no auge de sofrimento, chorava a perda de seus filhos.

Tudo isto eu sabia. A mim, bastava-me minha dor, bastava meu pranto, bastava o sofrimento dos que me amam, dos que amaram meu filho. Nenhum choro ou lamento iria aumentar ou minorar tanta tristeza. Dores iguais ou maiores que a minha, de outras mães, dos pais, filhos e amigos dos mortos necessitam de consolo. A solidariedade e amor ao próximo obrigam-nos a esquecer a própria dor.

Não pensei, contudo, que teria de passar por mais um insulto: ouvir a falsidade de um presidente, sob a forma de ensaiadas e demagógicas palavras de conforto. Um texto certamente encomendado a um hábil redator, dirigido mais à opinião pública do que a nossos corações, ao nosso luto, às nossas vítimas. Palavras que soaram tão falsas quanto a forçada e patética tentativa que demonstrou ao simular uma lágrima. Não, francamente eu não merecia ter de me submeter a mais essa provação nem necessitava presenciar a estúpida cena: ver o chefe da nação sofismar um sofrimento que não compartilhava conosco.

Senhores governantes: há dias vejo o mundo através de lágrimas amargas mas verdadeiras. Confundem-se com as lágrimas sinceras e puras de todos os corações amigos. Há dias, da forma mais dolorosa possível, aprendi o que é o verdadeiro amor. O amor humano, o Amor Divino. O amor é inefável, o amor é um sentimento despojado de interesse, não recorre a histriônicas atitudes políticas.

Não jorra das bocas, flui do coração!

E que Deus nos abençoe!

Adi Maria Vasconcellos Soares
Porto Alegre, 21 de julho de 2007.


http://www.estadao.com.br/cidades/not_cid23534,0.htm

A mim, as lágrimas que cabem são aquelas das pessoas que sabem o que está errado, sabem o que tem que ser feito para que vidas e dores sejam poupadas, para que a criminalidade caia, para que o país entre nos eixos, mas cujas palavras e idéias são ignoradas e preconceituosamente desprezadas. São as lágrimas da impotência.

Quem pensa em vida e morte não faz política

Do Fantástico deste domingo:

"Acordo de cavalheiros"
Congonhas é, de longe, o aeroporto mais movimentado do Brasil. Mais de 18 milhões de passageiros por ano. Vôos para 55 cidades. Mas os pilotos já decidiram: não vão esperar mais por soluções. Os pilotos da TAM, junto com os da Gol, firmaram nesta semana um “acordo de cavalheiros”, conforme mostra e-mail obtido pela reportagem. Eles se recusam a “operar em Congonhas sempre que a pista apresentar qualquer lâmina d’água, por mais insignificante que seja. Sempre no sentido de preservar não mais a segurança de vôo, mas sim a vida de cada um de nós”.

http://g1.globo.com/Noticias/SaoPaulo/0,,MUL75339-5605,00.html

Notem que eles não combinaram não voar mais em aviões que tenham reversos que não abrem; eles combinaram NÃO POUSAR MAIS EM CONGONHAS COM PISTA MOLHADA.

Quando alguém tem a própria vida em risco não pensa partidariamente, não se interessa em tomar decisões ou fazer escolhas levando em consideração os interesses alheios ou conjunturais, para beneficiar ou prejudicar outrem (muito menos governo ou oposição), mas pensa tão somente em defender a própria vida.

E os pilotos têm medo é de pista molhada em Congonhas, e não de reverso que não abre.

sexta-feira, 20 de julho de 2007

Classificação indicativa

Qual será a classificação indicativa que a equipe de censores do Romão daria a este vídeo?



Teria que passar depois da meia-noite, não é mesmo?

*

ISSO é o que o PT deseja às vítimas reais do acidente e vítimas potenciais do apagão aéreo. Veja a reportagem completa aqui:

Parabéns ao Pedro Simon, um dos pilares de ética, lucidez e coerência política do Senado.

quinta-feira, 19 de julho de 2007

Classes

No Brasil temos hoje três classes de indivíduos:

1) Os doentes
São pessoas que acreditam piamente que o Brasil nunca esteve tão bem, que a corrupção nunca foi tão combatida, que nuncantesnestepaíz se fez tanto pelos pobres etc etc etc. Estão num apagão mental, pois a figura do Lula os hipnotiza de tal sorte que mesmo que ele fosse flagrado ao vivo embolsando dinheiro público, iriam dizer que "ele é inocente, não sabia de nada e tudo é um complô da mídia golpista".

2) Os desinteressados
Em geral, votaram no Lula há quatro anos atrás, iludidos que estavam com os discursos éticos e esquerdopatas do PT. Depois do escândalo do mensalão, lentamente, cada um a seu tempo, foram se desanimando, deixando de acompanhar as notícias políticas e tornando-se apáticos. Estão completamente desesperançados com o país e têm nojo de política. Criticam e abominam qualquer um que toque no assunto.

3) Os inconformados
Me incluo entre eles. Estamos procurando curar os "doentes" e tirar os "desinteressados" da sua indiferença, fazendo ambos se livrarem da esquerdopatia. Perdemos um tempo enorme tentando abrir os olhos dos "doentes" e somos os chatos das rodas de conversa com os "desinteressados". Agimos assim porque sabemos que sozinhos não podemos fazer nada. Escutamos rádio o dia todo, assistimos a pelo menos dois noticiários na TV, lemos revistas e jornais diariamente e navegamos horas e horas na internet, em blogs, portais e no orkut, lendo, escrevendo, enviando e-mails e debatendo com outros desesperados.

Classe média no governo Lula

Classe Média Versus Lula
Acidente expõe raiva da classe média com Lula, diz analista
Bruno Garcez
da BBC Brasil, em Washington

Os parentes das vítimas ficaram revoltados com falta de informações O acidente com o Airbus da TAM em São Paulo poderá inflamar tensões sociais no Brasil, na avaliação do cientista político Riordan Roett, diretor do Departamento de Estudos Latino-Americanos da John Hopkins University, de Washington.
''Este acidente poderá marcar uma virada para a presidência de Lula. Não há dúvidas de que há raiva entre a classe média com o presidente. Uma sensação de crescente frustração entre os que lêem jornal e voam de avião'', afirma.
Uma recente manifestação desse sentimento, diz o analista, foi a estrondosa vaia sofrida pelo presidente no Maracanã, na abertura dos Jogos Panamericanos, que partiu daqueles que ''que pagaram ingressos caros para estar lá''.
O acidente, no entender de Roett, reforça entre este segmento da população a impressão de que o governo é inoperante e demonstra pouco caso em relação a temas que a afligem.
''A classe médida do Sudeste, que votou em Geraldo Alckmin, está cada vez mais dando sinais de sua frustração com Lula. Eles têm uma sensação de que o presidente e o PT não se importam com eles e que o governo é inoperante e incapaz de combater a corrupção.''
Por outro lado, afirma, ''quem não costuma viajar de avião ou comprar ingressos caros para eventos esportivos segue dando forte apoio a Lula. No Nordeste, ele ainda é popular, especialmente entre os que dependem de programas assistenciais como o Bolsa Família'', comenta.

Sem choques
Mesmo vislumbrando uma possível ampliação da atual divisão sul-norte no que diz respeito à popularidade de Lula, o analista não crê que essa disparidade possar ganhar os contornos de um choque social semelhante às tensões vividas em outros países sul-americanos.
''Não haverá confrontações, como na Bolívia ou na Venezuela. A classe média vai seguir demonstrando o seu descontentamento, mas dentro da lei e da Constituição'', prevê.
O impacto sobre Lula também não é algo que possa ser medido de forma imediata, de acordo com ele.
''É um desgaste que cresce aos poucos. Não haverá nenhum teste de popularidade a ser cumprido no curto prazo. As eleições municipais só acontecerão dentro de quase dois anos. E os índices de Lula nas pesquisas seguem elevados.''
No entender de Roett, o acidente com o Airbus não deverá mudar a postura do governo Lula. ''Brasília está mergulhada em uma série de grandes escândalos. Esta tragédia provavelmente ganhará o quarto ou quinto lugar em termos de prioridade. Lula deverá seguir adotando reformas cosméticas.''



Li este artigo e me lembrei de uma reportagem da Veja de 20 de dezembro de 2006, chamado "Congelaram a Classe Média". Segue abaixo alguns trechos dela.

Mola propulsora do avanço das nações, ela [classe média] está imobilizada no Brasil por um estado ineficiente e pelo crescimento medíocre da economia.(…)Ao contrário do que vem acontecendo em países que estão chamando a atenção do mundo, quase não se observa expansão na classe média do Brasil. Seu tamanho em relação à população total ficou praticamente inalterado nos últimos 25 anos [o último grande momento de euforia foi em 1994 com o Plano Real]. Essa é uma notícia ruim para o país e uma sombra sobre o seu futuro.(…) Existe uma relação direta entre o progresso de um país e a força de sua classe média. Isso está sendo demonstrado não só por exemplos atuais como o da China e o da Índia, mas também por histórias como a da Inglaterra na Revolução Industrial ou a dos Estados Unidos dos séculos XIX e XX. Motor econômico das sociedades livres tanto pelo empreendedorismo quanto pelo consumo, a classe média é também a grande produtora de idéias e cultura, e a garantidora da estabilidade política. Triste o país incapaz de cultivá-la.
(…)

Estagnada entre os emergentes: O rápido crescimento econômico tirou uma legião de famílias chinesas da miséria e as elevou à categoria de classe média. Fenômeno semelhante ocorreu na Índia, na Rússia e no México. Menos no Brasil.

Tamanho da Classe Média em relação à população do país:
BRASIL
• 1996: 20%
• 2006: 21%
• Crescimento da fatia da classe média na população 1996 e 2006: 5%
• Crescimento do PIB no mesmo período: 30%

MÉXICO
• 1996: 19%
• 2006: 43%
• Crescimento da fatia da classe média na população 1996 e 2006: 126%
• Crescimento do PIB no mesmo período: 50%

ÍNDIA
• 1996: 4%
• 2006: 13%
• Crescimento da fatia da classe média na população 1996 e 2006: 225%
• Crescimento do PIB no mesmo período: 100%

RÚSSIA
• 1996: 9%
• 2006: 34%
• Crescimento da fatia da classe média na população entre 1996 e 2006: 278%
• Crescimento do PIB no mesmo período: 55%

CHINA
• 1996: 1%
• 2006: 12%
• Crescimento da fatia da classe média na população entre 1996 e 2006: 1.100%*
• Crescimento do PIB no mesmo período: 160%

* Não, eu não errei na digitação, a classe média cresceu na China entre 1996 e 2006 1.100% enquanto no Brasil cresceu... 5%!!!

Observem bem os números acima. A classe média é o que "puxa" o país para fente, não só pagando impostos e sustentando o estado (incluindo as políticas sociais), mas também estabelecendo um modelo de vida que serve de estímulo de ambição, dedicação, estudo e trabalho para as classes que ainda estão abaixo dela.

Ao dar as costas para a classe média, Lula e seu governo dão as costas para o futuro do país.

Insone até em sonhos

Tive uma péssima noite, ou, no caso, manhã. Acordei muitas vezes e voltei a dormir continuando com o mesmo sonho, ou, na verdade, o mesmo pesadelo.

No sonho, eu morava num lugar afastado, numa pequena comunidade inicialmente formada por conhecidos e pessoas de bem. Lentamente, eu e meu marido fomos descobrindo que estas pessoas não eram tão bem intencionadas assim. O ambiente, como comumente são os ambientes difusos e ilógicos dos sonhos, lentamente foi se transformando em hostil e ameaçador, principalmente porque as pessoas foram se tornando desonestas e todos desconfiavam de todos.

Eu insistia muito com meu marido para que fôssemos embora do local. Ele dizia não ser necessário. Numa dada altura, o grupo com quem convivíamos envenenou meu marido, que não morreu, mas ficou muito mal. Eu ficava cuidando dele, para que melhorasse. Mas o pior de tudo veio depois: eu não podia dormir em momento algum, porque se o fizesse, as pessoas ameaçadoras que estavam lá jogariam gasolina e ateariam fogo em nossos corpos. E então, até neste pesadelo, eu tinha a nítida consciência de que não poderia, nunca, descansar ou fechar os olhos, porque estavam todos prontos a nos "predar".

Depois de muito tempo nesta situação insuportável, meu marido melhorou um pouco e se convenceu de que tínhamos que fugir de lá. Mas era tarde. As outras comunidades vizinhas já tinham se esvaziado e, se quiséssemos sair, não teríamos civilização ao redor para comer, beber ou dormir: seriam necessários dias e dias de caminhada, sem água, comida ou pouso, até que encontrássemos novamente alguma cidade, civilização, pessoas, estrutura.

Nossa saída ficou inviável, estávamos condenados e ficar naquele lugar terrível, com aquelas pessoas bizarras em quem não podíamos confiar.

E assim permaneci absolutamente insone, sem previsão de algum dia poder dormir novamente.

Atenção PSDB

O que digo abaixo não é fazer aproveitamento político da tragédia, MAS É EVITAR QUE OUTROS ACIDENTES AINDA ACONTEÇAM:

TUCANOS, APROVEITEM POR FAVOR ESTE MOMENTO PARA ABRIR UM DEBATE NACIONAL SOBRE NEOLIBERALISMO E PRIVATIZAÇÕES, DEMONSTRANDO QUE ELAS PODERIAM EVITAR ACIDENTES, COMO POR EXEMPLO NESTE CASO. POR FAVOR DEMONSTREM O QUANTO O DISCURSO ESQUERDOPATA, USADO POLITICAMENTE, IMPEDE QUE O POVO TENHA ACESSO AOS SERVIÇOS DE QUE PRECISA.


É esse discurso politiqueiro anti-neoliberal e esquerdopata que arrasta criancinha no asfalto (transformando bandido em vítima social e impedindo que a polícia cumpra com sua função de enfrentamento) e que abate aviões (impedindo que a iniciativa privada invista no setor). Se vocês não fizerem isso, cedo ou tarde o DEM vai fazer. E o PSDB ficará no limbo eleitoral.

Alberto Goldman, vice-governador de São Paulo deu hoje uma entrevista ao Sardenberg na CBN na hora do almoço, abordando o assunto. Mais tarde, na CBN de Curitiba, o excelente economista Pio Martins também fez um PRIMOROSO COMENTÁRIO apontando o discurso ideológico que demoniza das privatizações e o neoliberalismo como causas deste trágico acidente. Se eu conseguir os links destes comentários, posto-os aqui mais tarde.

quarta-feira, 18 de julho de 2007

Luto permanente desde novembro de 2006



Estar de luto adiantado pelas coisas ruins que vão acontecer não é pessimismo. Considerando o governo reeleito que temos, é realismo.
PS: ninguém precisa me pedir autorização para copiar e distribuir esta imagem.

sexta-feira, 6 de julho de 2007

Aos Senhores Senadores - Caso Renan Calheiros

Para:
adelmir.santana@senador.gov.br; alfredon@senador.gov.br; almeida.lima@senador.gov.br; mercadante@senador.gov.br; alvarodias@senador.gov.br; acm@senador.gov.br; antval@senador.gov.br; arthur.virgilio@senador.gov.br; augusto.botelho@senador.gov.br; cesarborges@senador.gov.br; cicero.lucena@senador.gov.br; cristovam@senador.gov.br; delcidio.amaral@senador.gov.br; demostenes.torres@senador.gov.br; edison.lobao@senador.gov.br; eduardo.azeredo@senador.gov.br; eduardo.suplicy@senador.gov.br; efraim.morais@senador.gov.br; eliseuresende@senador.gov.br; ecafeteira@senador.gov.br; expedito.junior@senador.gov.br; fatima.cleide@senadora.gov.br; fernando.collor@senador.gov.br; flavioarns@senador.gov.br; flexaribeiro@senador.gov.br; francisco.dornelles@senador.gov.br; garibaldi.alves@senador.gov.br; geraldo.mesquita@senador.gov.br; gerson.camata@senador.gov.br; gilvamborges@senador.gov.br; heraclito.fortes@senador.gov.br; ideli.salvatti@senadora.gov.br; inacioarruda@senador.gov.br; jarbas.vasconcelos@senador.gov.br; jayme.campos@senador.gov.br; jefperes@senador.gov.br; joaodurval@senador.gov.br; joaoribeiro@senador.gov.br; jtenorio@senador.gov.br; j.v.claudino@senador.gov.br; joaquim.roriz@senador.gov.br; jonaspinheiro@senador.gov.br; jose.agripino@senador.gov.br; jose.maranhao@senador.gov.br; josenery@senador.gov.br; sarney@senador.gov.br; katia.abreu@senadora.gov.br; leomar@senador.gov.br; lucia.vania@senadora.gov.br; magnomalta@senador.gov.br; maosanta@senador.gov.br; crivella@senador.gov.br; marco.maciel@senador.gov.br; marconi.perillo@senador.gov.br; maria.carmo@senadora.gov.br; mario.couto@senador.gov.br; marisa.serrano@senadora.gov.br; mozarildo@senador.gov.br; neutodeconto@senador.gov.br; osmardias@senador.gov.br; papaleo@senador.gov.br; patricia@senadora.gov.br; paulo.duque@senador.gov.br; paulopaim@senador.gov.br; simon@senador.gov.br; raimundocolombo@senador.gov.br; renan.calheiros@senador.gov.br; renatoc@senador.gov.br; romero.juca@senador.gov.br; romeu.tuma@senador.gov.br; rosalba.ciarlini@senadora.gov.br; roseana.sarney@senadora.gov.br; sergio.guerra@senador.gov.br; sergio.zambiasi@senador.gov.br; serys@senadora.gov.br; siba@senador.gov.br; tasso.jereissati@senador.gov.br; tiao.viana@senador.gov.br; valdir.raupp@senador.gov.br; valterpereira@senador.gov.br; wellington.salgado@senador.gov.br

Senhores
Esta é a última oportunidade que os senhores têm de dizer que ainda há alguma chance deste país ser um dia digno de respeito: o caso Renan não pode ser colocado para debaixo do tapete. O povo está com a paciência no limite. Cansamos de ser feitos de palhaços. Parem de pensar que podem nos tapear deixando para amanhã ou depois de amanhã ou para o mês que vem o julgamento de Renan (e percebam que o povo já o julgou e quer seu pescoço), na esperança de que poderão engavetar tudo enquanto estivermos "inebriados" pelo circo-PAN. Somos cidadãos, eleitores e contribuintes, pagamos vossos salários e EXIGIMOS MAIS RESPEITO COM A DEMOCRACIA. O Senado é uma das instituições que dão sustentação a ela e não admitimos que os senhores denigram a imagem desta Casa de tal sorte que todo o legislativo fique subjugado pelo executivo federal, no qual mais de 40% dos eleitores já demonstrou não confiar. A continuar a marcha lenta e ensaiada com a qual conduzem o caso Renan Calheiros, não demora e as massas de manobra de sempre estarão protestando nas ruas pedindo o fechamento do Congresso (ato do qual nunca participarei). Portanto, SE UM DIA O BRASIL SE TRANSFORMAR EM UMA VENEZUELA É PORQUE OS SENHORES SE TORNARAM CÚMPLICES.

Todas as próximas gerações cobrarão de vocês os dias de hoje, caso não nos dêem as respostas que esperamos. Sejam dignos dos cargos que ocupam, cumprindo com nada mais do que sua obrigação, ou sejam irreversivelmente lançados à cadeira condenatória na História do Brasil.

Preocupada e angustiadamente,
Daniela